Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Intenções de Investimento em Portugal aumentam em 2017

  • 333

Um estudo realizado para a EY - antiga Ernst & Young - indica que cerca de dois terços dos investidores contactados continuam a escolher a Grande Lisboa e a região Norte como as mais atrativas

Lusa

As intenções de investimento em Portugal vão aumentar no próximo ano, com 25% dos investidores a revelarem ter 52 planos para o país, resultado mais positivo do que o obtido para outros países europeus, segundo um estudo da EY.

O estudo EY Attractiveness Survey 2016 foi realizado para a EY, antiga Ernst & Young, pelo CSA Institute (França) em março/abril deste ano e teve por base o inquérito a 205 empresas, das quais 121 já estão presentes em Portugal e 84 ainda sem operação no país, incluindo entrevistas telefónicas em 20 países.

As respostas obtidas apontam para um crescimento das intenções de investimento, face a 2015, com 25% das empresas inquiridas a revelarem ter planos de investimento para o próximo ano, e mostram que Portugal colheu respostas mais favoráveis do que as dos outros países europeus, como por exemplo França (23%), Alemanha (23%), Reino Unido (23%), Holanda (19%) e Bélgica (16%).

O diretor executivo da EY e coordenador do estudo em Portugal, Luís Florindo adiantou que há 52 intenções de investimento em Portugal no curto prazo e explicou que aquele resultado "é especialmente influenciado pelas empresas que já têm presença" no país, 40% delas com projetos de expansão, e avançou que das empresas incluídas na amostra mas que não têm presença no país apenas 4% planeiam investir durante o próximo ano.

No topo dos fatores de atratividade estão as qualificações, o custo da mão-de-obra, as infraestruturas de telecomunicações, de logísticas e de transportes e a estabilidade do clima social, destacando-se ainda por áreas as da produção e de investigação e desenvolvimento (I&D).

Destacando o 'gap' [intervalo] muito significativo entre as empresas presentes e as não presentes no que diz respeito a estes fatores, Luís Florindo mostrou que, entre os menos atrativos, se destaca a flexibilidade da legislação laboral, "fator que, ainda assim, é considerado como muito ou bastante atrativo por 42% da amostra", face aos 48% para a Europa como um todo.

Os impostos sobre as empresas apresentam o segundo pior resultado, com 43% da amostra a considerar este fator como pouco ou nada atrativo (valor igual aos que o consideram como muito ou bastante atrativo).

Em 2012, a mesma pergunta indicava que apenas 31% da amostra considerava a carga fiscal como um fator atrativo, o que denota uma ligeira melhoria.

Numa perspetiva a três anos, embora as respostas favoráveis recuem 20 pontos percentuais em dois anos, facto é que 47% dos investidores inquiridos acreditam que a atratividade vai melhorar, também aqui um valor mais positivo do que o resultado obtido nos outros países europeus em que foram realizados estudos semelhantes, como a Alemanha (46%), Reino Unido (36%), França (21%) e Europa como um todo (36%), sendo que apenas 9% da amostra acredita que a atratividade do país vai piorar.

“A estagnação do crescimento e a incerteza quanto à evolução dos mercados estão a afetar as intenções de investimento a curto prazo na generalidade dos países europeus. Neste cenário, Portugal vai emergindo como a localização em quem mais investidores apresentam intenções de investir no curto prazo e em que há melhores expetativas quanto à evolução da atratividade nos próximos três anos”, diz Luís Florindo, em comunicado entretanto divulgado.

Cerca de dois terços dos investidores da amostra continuam a escolher a Grande Lisboa e a região Norte como as mais atrativas, com a primeira a subir nas preferências e a ser considerada a melhor localização por 44% dos investidores e a segunda a manter-se inalterada face a 2015.

Sendo que este ano o estudo desafiou pela primeira vez os investidores a identificarem as cidades europeias mais atrativas para investimento, Lisboa surge em terceiro lugar e o Porto em quinto, entrando no 'top-5' das preferências relativamente às cidades do Sul da Europa.

A nível da Europa, Lisboa foi considerada como a oitava cidade mais interessante para investir, com o Porto a surgir em 11.º na perceção desta amostra, constituída em cerca de 50% por empresas que já têm presença em Portugal.

A EY analisou também a atratividade real, quantificando os projetos de investimento, acompanhada pelo EY Global Investment Monitor (GIM), com base em mais de 10 mil fontes noticiosas, que mostra que em 2015 foram registados 47 projetos de investimento, acima da média anual de 37 projetos observada entre 2005 e 2014, mas abaixo dos 53 registados em 2014.

Os projetos registados em 2015 anunciaram a criação de perto de 3.500 postos de trabalho, o valor mais alto desde 2009.

França foi o país que mais investiu em Portugal, liderando o número de novos projetos de investimento em 2015, seguindo-se Espanha e Estados Unidos. Só da União Europeia vieram 64% dos nos projetos.