Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

OCDE: “A última coisa que precisamos é criar divisões com sanções”

  • 333

ERIC PIERMONT/AFP/GETTY

Angel Guría considera que a prioridade nesta altura deve ser os países contribuirem para respostas conjuntas para o baixo crescimento económico, a crise dos refugiados, o terrorismo e o Brexit

O secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, defendeu esta sexta-feira, em Lisboa, que a "última coisa" de que a Europa precisa neste momento é "criar divisões" através da aplicação de sanções, pedindo flexibilidade às instituições europeias.

"Este é um momento para trabalhar em respostas conjuntas a crises como o crescimento económico medíocre e para enfrentar desafios como a crise dos migrantes e refugiados, ao terrorismo e ao 'Brexit'. E claro, a última coisa que precisamos é de criar divisões entre nós ao aplicar sanções", afirmou o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Angel Guría discursava no Fórum Global de Produtividade da OCDE, que teve início na quinta-feira e termina esta sexta-feira em Lisboa, e aproveitou para comentar a abertura de um processo de sanções a Portugal e Espanha pela Comissão Europeia, que concluiu que os dois países não tomaram "medidas eficazes" para corrigir os seus défices excessivos.

"Nem sequer são sanções, porque estão relacionadas com o passado, não com o futuro", apontou o secretário-geral, criticando que a sua aplicação "não tem em consideração a crise do setor bancário".

Na opinião do líder da instituição sediada em Paris, a crise da banca exige aos Estados que "seja feito o que for preciso" para manter a estabilidade, não pelo bem dos banqueiros, "mas pelo bem dos depositantes e da confiança dos sistemas económico e financeiro desses países".

Por isso, insistiu, "a última coisa que é necessária neste momento é que a Comissão Europeia fale agora sobre sanções a países que se desviaram do objetivo de redução do défice em 0,2 pontos percentuais".

Portugal encerrou o ano anterior com um défice de 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mas excluindo a recapitalização do Banif esse valor cai para 3,2% (segundo Bruxelas), o que fica 0,2 pontos percentuais acima dos 3,0% previstos nas regras europeias.

"O que estamos a dizer é que a resposta não são sanções. É flexibilidade", reiterou.

  • Moedas diz que CE pode voltar a analisar casos de Portugal e Espanha

    “Se olharmos para o conjunto, vemos que Portugal foi dos países que maiores sacrifícios fez e os portugueses devem ter esse reconhecimento”, diz o comissário português, sublinhando que “não há uma discussão sobre sanções” mas antes uma “constatação matemática” de que o défice não ficou abaixo dos 3% do PIB

  • Moscovici remete decisão sobre sanções para o Ecofin

    Comissário europeu dos Assuntos Económicos afirmou que a recomendação feita para Portugal e Espanha não diz respeito à situação orçamental atual. “O que está em causa hoje não são sanções, mas documentar o passado”, declarou Pierre Moscovici, reiterando porém que as regras devem ser aplicadas de “forma inteligente”