Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bruxelas aprova compra do Banif pelo Santander

  • 333

NUNO BOTELHO

A Comissão Europeia aprovou esta manhã a compra do Banif pelo Banco Santander Totta

A Comissão Europeia aprovou hoje a compra do Banif pelo Banco Santander Totta. Segundo um comunicado do executivo comunitário, "a Comissão concluiu que a transação proposta não levanta quaisquer problemas de concorrência, dado que as sobreposições entre Banif e atividades do Banco Santander Totta [BST] são limitados a nível nacional".

"Tanto o Banif como o BST têm atividade na banca de retalho, banca corporativa e serviços de pagamentos por cartão em Portugal", diz Bruxelas, salientando ainda que o Banif tem "uma forte presença na Madeira e nos Açores", mas o BST não é um concorrente próximo nas regiões autónomas.

O Santander Totta comunicou ao regulador do mercado, a 21 de dezembro de 2015, que se tornará o segundo banco privado português após a aquisição de parte do Banif por 150 milhões de euros, indicando que possíveis litígios ficam na instituição portuguesa.

Em 20 de dezembro, domingo ao final da noite, o Banco de Portugal e o Governo anunciaram a resolução do Banif, a venda de alguns ativos ao Santander Totta e a transferência de outros (muitos deles 'tóxicos') para a sociedade-veículo Oitante.
A operação surpreendeu pela dimensão do dinheiro estatal envolvido, que no imediato foi de 2.255 milhões de euros, o que obrigou a um Orçamento retificativo.

A este valor há ainda que somar a prestação de garantias de 746 milhões de euros e a perda dos cerca de 800 milhões de euros que o Estado tinha emprestado em 2012 e que não tinham sido devolvidos.

No total, e retirando os 150 milhões de euros pagos pelo Totta, os custos para contribuintes podem chegar até 3.600 milhões de euros.

“O Banco de Portugal considera que, face às circunstâncias e restrições impostas, a venda da atividade do Banif é a solução que salvaguarda a estabilidade do sistema financeiro nacional e que protege as poupanças das famílias e das empresas, bem como o financiamento à economia”, explicou na altura o BdP em comunicado.