Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Problema informático atrasou reembolsos do IRS

  • 333

Finanças revelam que houve um problema informático no passado dia 30 de junho que inviabilizou as transferências bancárias para se proceder ao estorno do imposto

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) revela que teve um problema informático a 30 de junho que atrasou os reembolsos do IRS. Em causa esteve o envio para a Agência de Gestão da Tesouraria do Crédito Público (IGCP) das ordens de transferência bancárias para pagamento destes reembolsos.

A situação levou a que fosse ativado, de forma automática, “o procedimento de contingência”, ou seja, a emissão de cheques, revela ao Expresso fonte oficial do Ministério das Finanças.

“Todos os dias a AT efetua milhares de transferências bancárias para pagamento de reembolsos, através do envio diário de uma ordem de transferência global para a IGCP. No passado dia 30 de junho, houve um problema informático no envio dessa ordem”, explicam as Finanças, assegurando que até esse dia “não tinha havido qualquer problema neste sentido e o mesmo foi prontamente resolvido, não tendo voltado a verificar-se”.

Porém, os cheques não chegaram a ser enviados porque a AT preferiu evitar “aos cidadãos a demora e o incómodo associados a receberem os reembolsos por cheque”. Assim, foi cancelada a emissão de cheques e foi repetida a ordem de transferência bancária que entretanto foi processada.

“As ordens de transferência relativas ao dia 30 de junho foram novamente processadas integralmente, como poderá ser constatado pelos contribuintes afetados através da consulta no portal das finanças”, garante o Ministério.

De acordo com os dados disponibilizados pelas Finanças, até 31 de maio, foram processados reembolsos de 827 milhões de euros, mais 174 milhões de euros face ao período homólogo. Este valor difere dos 676 milhões de euros inscritos na execução orçamental de maio, publicada na semana passada pela Direção-Geral do Orçamento.

Em explicação enviada ao Económico online, as Finanças justificam esta diferença com o “hiato temporal entre a ordem de reembolso e a transferência efetiva desse valor”.