Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Airbnb gerou €268 milhões em Lisboa em 2015

  • 333

Lisboa está a ser um sucesso para a Airbnb, com os turistas a procurarem "experiências locais"

Gonçalo Rosa da Silva

Duplicou o número de pessoas que usaram a Airbnb para visitar a capital portuguesa, atingindo 450 mil. Lisboa já é o 8.º maior destino na Europa para a plataforma mundial de reservas

A Airbnb, plataforma de reservas de alojamento, anunciou esta terça-feira que o seu impacto económico na cidade de Lisboa no ano passado atingiu 268 milhões de euros, e que "38% do dinheiro total gasto pelo hóspede médio foi para o bairro onde ficou alojado".

Deste valor, a fatia de leão, de acordo com a Airbnb, foi para o comércio local: 42,8 milhões de euros foram ganhos pelos "anfitriões", os donos das casas que receberam turistas em Lisboa, e os restantes 228 milhões de euros referem-se a gastos dos visitantes em restaurantes, mercearias ou lojas de vizinhança.

"Fizemos este estudo sobre Lisboa porque quisémos saber mais sobre a nossa atividade aqui. Lisboa é muito importante para a Airbnb, está no nosso top-10 de maiores destinos urbanos na Europa e no último trimestre subiu para o 8.º lugar", frisa Àngel Mesado. O diretor da Airbnb em Portugal e Espanha esclarece que o estudo do impacto económico em Lisboa seguiu os mesmos critérios de outros feitos em cidades como Barcelona, Londres, Paris e Amesterdão, designadamente com base no inquérito aos hóspedes.

Mais de 450 mil donos de casas receberam turistas

Segundo a Airbnb, em Lisboa a plataforma está a dar um contributo de peso para "proporcionar a criação de novas atividades económicas e a democratizar os benefícios para as famílias e para o comércio local", e também a "atraír novos turistas que querem experienciar a vida em Lisboa como um habitante local".

O estudo revela que em 2014 cerca de 450 mil turistas reservaram alojamento na Airbnb para visitar Lisboa, mais do dobro dos valores do ano anterior (213 mil), e que "30% dos hóspedes disseram que não visitariam a cidade ou não teriam tido uma estadia tão longa sem a Airbnb".

Outra conclusão é que mais de 4500 proproetários de casas receberam turistas em Lisboa, o que, em média lhes trouxe um rendimento adicional de 530 euros por mês, equivalente a 76 noites no ano.

Àngel Mesado enfatiza ainda que os clientes que reservam pela Airbnb, além de fazerem o dobro dos gastos também ficam o dobro do tempo em Lisboa (em média 4,1 dias) relativamente aos dos "alojamentos tradicionais", vulgo os hotéis. "Vemos assim como as pessoas querem ter experiências mais independentes e com a comunidade local quando viajam numa economia de partilha, o que faz parte de uma mudança de paradigma que está a acontecer no mundo".