Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Reino Unido perde rating triplo A

  • 333

Drew Angerer/ Getty Images

Ao fim de trinta e oito anos, a agência de notação S&P acaba de cortar o rating da dívida britânica de triplo A para AA e com perspetiva negativa. Esta agência era a única das três grandes que mantinha o Reino Unido no escalão máximo. Fitch corta para AA

A agência de notação Standard & Poor’s decidiu retirar o rating máximo de triplo A ao Reino Unido na sequência do Brexit. A S&P cortou em dois níveis a notação da dívida britânica de longo prazo para AA, numa comunicação já divulgada depois do fecho dos mercados financeiros na Europa. A notação de triplo A havia sido atribuída ao Reino Unido em 1978.

A S&P foi a última das três grandes agências a retirar o triplo A ao Reino Unido e decidiu, ainda, colocar a perspetiva em terreno negativo face aos riscos derivados do papel da libra esterlina nos mercados cambiais e a um horizonte em que poderá ocorrer um novo referendo na Escócia que conduza à independência colocando em causa a integridade económica e constitucional do Reino Unido.

Depois do anúncio da decisão da S&P, a agência Fitch decidiu cortar a notação da dívida britânica em um nível de AA+ para AA, alinhando o rating pelo atual atribuído pela S&P.

A agência Moody’s decidiu na sexta-feira passada, após o Brexit, baixar a perspetiva da notação de estável para negativa. A Fitch havia decidido manter a perspetiva estável na decisão que tomou a 10 de junho, mas hoje procedeu ao corte. Em total contraste, a agência canadiana DBRS decidiu na sexta-feira passada manter a notação de triplo A e a perspetiva estável para a dívida britânica alegando a resiliência da economia.

Nas classificações das três principais agências, as notações atribuídas pela S&P e Fitch são, agora, as mais baixas. A Moody's atribui à dívida britânica uma notação um nível acima (Aa1, que equivale a AA+).

A Moody’s retirou o triplo A em fevereiro de 2013 e a Fitch em maio desse ano; a S&P levou mais de três anos a decidir-se pelo corte. Em junho de 2015, a S&P optara por baixar a perspetiva de estável para negativa, mas não mexeu no rating.