Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Brexit é oportunidade para Portugal atrair startups

  • 333

Clima de incerteza e eventuais restrições à emigração podem desviar investidores do Reino Unido para outros países europeus. Portugal pode ser um dos beneficiários.

"O Brexit é uma extraordinária oportunidade para Portugal atrair mais investimento de startups e talento de outros países que querem desenvolver projetos", defende Gonçalo de Vasconcelos, um português vive há vários anos em Londres e é fundador e presidente da Syndicate Room, uma das mais sucedidas tecnológicas financeiras (fintech) da capital inglesa que se dedica ao crowdfunding private equity. "Se a economia do Reino Unido ficar mais fechada com o Brexit terá mais dificuldade em atrair investimento de empreendedores e talento", acrescenta Gonçalo de Vasconcelos, que falou ao Expresso a título individual.

Opinião semelhante tem Pedro Oliveira, cofundador da Landing Jobs, empresa de recrutamento de especialistas em tecnologias de informação que está radicado em Londres onde gere a filial britânica. "O Brexit é uma oportunidade para Portugal atrair mais investimento de tecnológicas que queiram sair de Londres ou que estavam planear instalar-se na capital do Reino Unido". Nesse sentido, este empresário diz que a Landing Jobs está a preparar um plano de marketing para posicionar Portugal como uma boa localização junto dos seus clientes, onde se encontram grande multinacionais e startups estrangeiras. Assim, até pode acontecer que o Brexit provoque a criação de postos de trabalho na áreas tecnológicas em Portugal. "O Governo português devia estar movimentar-se para atrair estes investidores", refere o fundador da Landing Jobs.

O português Carlos Silva, que fundou uma das maiores plataformas de financiamento por crowdfounding do mundo, com sede em Londres, acredita que não haverá impacto específico na atividade da Seedrs a curto prazo. E que a longo prazo será difícil prever: “Vai depender dos acordos que forem alcançados”. Para este empreendedor, “é pior termos mais esta fronteira e era melhor termos uma Europa mais unida”, mas a Seedrs “foi criada como plataforma global, além-fronteiras”. Este resultado “não altera significativamente os nossos planos”

Já o impacto a longo prazo “dependerá muito da forma como o Governo inglês reagir a uma recessão. No caso das startups, para as quais existem hoje incentivos fiscais, dependerá se estes serão mantidos ou reforçados”, afirma Carlos Silva. Ao mesmo tempo, este resultado poderá também representar “uma oportunidade de outras cidades europeias angariarem mais investimento”. O empreendedor recorda um encontro recente onde esteve presente, organizado pelo ICE (International Conclave of Entrepreneurs), em que já se falou na abertura de escritórios fora do Reino Unido. “E Lisboa foi uma das cidades referidas”.

Feedzai congela investimentos

Também Nuno Sebastião, fundador e presidente da Feedzai – empresa portuguesa na lista das tecnológicas de maior crescimento na Europa da Tech Tour –, aponta Lisboa como uma das cidades europeias que passarão a estar na mira de empresas norte-americanas, por exemplo. “Acho que há aqui uma oportunidade”, afirma o empreendedor. Do lado dos desafios, “receio que voltemos a uma situação como a de 2008, quando todos os bancos pararam, o que pode ter impacto nas empresas que trabalham na área financeira, como nós”, acrescenta. A Feedzai dedica-se a detetar situações de fraude em tempo real na banca e no comércio eletrónico.

Por isso, e para já, a Feedzai está a repensar o investimento que tinha planeado para o Reino, mercado onde abriu escritório este ano. A empresa tem neste momento cinco pessoas a trabalhar em Londres, na área comercial, e planeava chegar às 25 pessoas até ao final do ano, criando também um departamento de suporte técnico, como plataforma para outros mercados europeus. Mas o investimento parou. “Deixou de fazer sentido”. Por isso, “não vamos fazer mais contratações em Londres e já estamos a entrevistar pessoas em Frankfurt e Berlim”.

Primeiro impacto

Até agora Londres era a Meca de muitas startups sobretudo das fintech e era o local onde muitos empreendedores queriam investir, mas a situação pode mudar se o Reino Unido se fechar à emigração. Gonçalo de Vasconcelos diz que "ainda é cedo para perceber se vai haver impacto entre os portugueses residentes no Reino Unido, mas não acredita que o país vai abrir mão de recursos humanos que criam riqueza. Pedro Oliveira não acredita que no curto prazo "o Reino Unido avance com políticas anti-emigração porque isso seria dar um tiro no pé".

Pedro Oliveira foi trabalhar esta sexta-feira, como é habitual, num centro de coworking na capital inglesa e deparou com "um ambiente pesado e de revolta" entre as dezenas de empresários e empreendedores britânicos e estrangeiros que trabalhavam no local. "Claramente todos queriam que o Reino Unido ficasse na União Europeia. Estão desiludidos e têm incerteza em relação ao futuro".

No caso da Science4you, marca portuguesa de brinquedos educativos e científicos, o impacto deste resultado já se fez sentir. “Já estamos a ser prejudicados pelo facto de a libra ter caído cerca de 10% nos últimos tempos”, afirma Miguel Pina Martins, fundador da empresa. “Prevemos vendas de 1,7 milhões a 1,8 milhões de euros este ano no Reino Unido, mas já perdemos entre 150 mil e 200 mil euros só pelo facto de a libra ter desvalorizado”, adianta.

Miguel Pina Martins até tem uma visão otimista relativamente ao futuro: “Penso que o Reino Unido e a UE não vão deixar de ter um acordo de comércio livre. É muito importante para nós e para as nossas exportações”. De qualquer forma, “apesar de planearmos manter o escritório que temos em Londres, não vamos investir mais no Reino Unido”. A Science4you, presente em 27 países e com um volume de vendas global que deverá chegar aos 18 milhões de euros este ano, tem escritório no Reino Unido há três anos, onde investiu meio milhão de euros, tem quatro empregados e já soma vendas de 3 milhões. É o terceiro mercado desta empresa portuguesa.

A Critical Software é outra tecnológica portuguesa que tem uma filial em Londres há vários anos, onde trabalham 40 pessoas. Gonçalo Quadros, presidente executivo da empresa, admite que o Brexit "não foi uma boa notícia", mas não espera grandes alterações no negócio no Reino Unido, uma vez que a Critical tem "um relacionamento sólido e antigo com os seus clientes, a maioria são grandes empresas britânicas.