Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Pestana quer “marcar mais golos” com o CR7 nos hotéis

  • 333

Dionísio Pestana em frente ao novo hotel Pestana CR7, uma parceria com Cristiano Ronaldo, em Lisboa

João Lima

Com o grupo Pestana a preparar o “maior crescimento de sempre” — investimentos de €170 milhões em mais 20 hotéis nos próximos quatro anos — o seu presidente, Dionísio Pestana, fala do “salto de visibilidade” que vai trazer a marca CR7, dos hotéis que está a construir em parceria com Cristiano Ronaldo. O primeiro CR7 abre já na próxima semana na Madeira, terra natal do jogador de futebol e do hoteleiro. Segundo Dionísio Pestana, os bancos portugueses estão abertos a financiar “bons projetos turísticos”, porque sabem hoje “quem são os investidores sustentáveis que não os fizeram acumular prejuízos”.

O que serão os hotéis CR7 que vai abrir com o Cristiano Ronaldo?

É o oposto do que temos feito, o tradicional hotel de cinco estrelas português, com as leis do passado, grandes corredores e casas de banho com dois bidés. Estes vão ser hotéis temáticos, ligados ao mundo do Cristiano Ronaldo, caracterizados pela energia e um ambiente elétrico, imagens, tecnologia, wifi e muitas surpresas. Quem entra sente logo a força do lobby como ponto de encontro e de convívio, as suites vão ter camas redondas, é tudo mais informal e divertido. Os hotéis não serão todos iguais, como os Holiday Inn, e variam conforme o local. Na Madeira, o CR7 vai ter um roof top com uma das vistas mais lindas sobre o Funchal e uma piscina vermelha. O de Nova Iorque será diferente e o de Madrid também. No Funchal, começamos a receber clientes a 1 de julho, na baixa de Lisboa estamos a fazer pontaria para abrir no final de julho.

Que contributo darão os hotéis do Ronaldo a um grupo com a ‘ambição’ de ser uma das maiores cadeias a nível internacional?

Temos quatro hotéis CR7 para abrir, a começar por Funchal e Lisboa. O de Madrid será em 2017 e o de Nova Iorque no início de 2018. Mas isto é o pontapé de saída, como se diz em termos futebolísticos. O projeto não vai ficar por aqui e temos mais golos a marcar com o Ronaldo. Estamos ativamente à procura de um quinto hotel CR7, que será de certeza numa capital europeia, onde hoje o grupo está mais focado. O grupo Pestana tem 43 anos, conseguiu internacionalizar-se pelo caminho mais difícil, e associar o nome do Ronaldo vai dar um salto de visibilidade. Estamos muito confiantes neste projeto: com ele a marcar golos e nós a fazer camas, vai ser uma boa parceria.

O seu grupo vai investir no maior crescimento de sempre até 2020, ao todo €170 milhões, dentro e fora de Portugal. Como é hoje conseguir financiamento?

Tendo um bom projeto, capital próprio em 30% ou 40% e um parceiro com experiência, não falta hoje dinheiro em Portugal para esses projetos. Houve um ciclo económico que correu mal, pela ganância, o dinheiro barato e a loucura dos bancos, que levou a muito dinheiro mal gasto, projetos mal feitos (de gente que nunca tinha feito um hotel na vida) e tudo à base de crédito. Esse ciclo está agora a acabar, e passados oito anos os bancos começaram a perceber quem são os investidores sustentáveis e que não os fizeram acumular prejuízos — e aprenderam a fazer a avaliação correta, a diferenciar os projetos para investir. No caso do investimento português, os bancos hoje já têm benchmarking (comparativo) e sabem até onde podem ir.

Leia mais ne edição deste fim de semana