Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas da Europa fecham com ganhos. Volatilidade subiu

  • 333

A maioria das principais praças financeiras europeias encerrou a véspera de referendo britânico com subidas, mas Milão e Zurique fecharam em terreno negativo. PSI 20 reduziu a queda na tarde de quarta-feira, fechando a perder 0,29%. Reviravolta de última hora no índice das 50 principais cotadas da zona euro

Jorge Nascimento Rodrigues

As bolsas europeias abriram esta quarta-feira em terreno negativo, mas a maioria das principais praças financeiras acabou por fechar com ganhos, ainda que, em alguns casos, se tenham observado oscilações significativas ao longo do dia.

Os dois índices Eurostoxx fecharam em terreno positivo; o relativo às 50 principais cotadas da zona euro ganhou 1,06% e o que abrange 600 títulos em 18 bolsas subiu 0,38%. O índice FTSE 100, da bolsa de Londres, avançou 0,6%, nesta véspera de referendo à permanência do Reino Unido na União Europeia. No vermelho fecharam as bolsas de Milão e Zurique, no “clube” das mais importantes. Em Lisboa, o índice PSI 20 reduziu a queda inicial para fechar a perder 0,29%. A Pharol foi o título que se afundou em Lisboa, perdendo quase 26%, depois de ter regressado a negociação esta quarta-feira. Nos periféricos da zona euro, também a bolsa de Atenas fechou em terreno negativo, com uma queda muito ligeira de -0,03%, e o índice geral da bolsa de Nicósia liderou as perdas na Europa, recuando 1,4%.

A volatilidade associada ao índice Eurostoxx 50 subiu esta quarta-feira 4,6%. Este índice foi protagonista de uma reviravolta na parte final da sessão; estando a perder -0,03%, acabou a fechar com um ganho de 1,06%. Em sentido descendente, ocorreu uma mudança brusca no índice Ibex 35, da bolsa de Madrid, que estando a ganhar 1,1% reduziu a subida para 0,4% na ponta final da negociação da sessão.

Em Nova Iorque, depois de uma abertura em alta pelas 14h30 (hora de Portugal), a trajetória dos três principais índices está a oscilar em torno da linha de água. A volatilidade associada ao índice S&P 500 já subiu 4,6% desde a abertura. Apesar do Fundo Monetário Internacional reconhecer que a economia norte-americana atravessa um bom momento, os técnicos reviram em baixa a previsão de crescimento para este ano, de 2,4% nas projeções de abril, para 2,2% agora, segundo o relatório hoje divulgado ao abrigo das análises às economias dos membros previstas pelo artigo IV do Fundo.

O Banco Central Europeu anunciou hoje a abertura do primeiro leilão da nova edição da linha de financiamento condicionada (TLTRO), cujos resultados só serão divulgados na sexta-feira pelas 10h30. O juro aplicável é de 0%, mas os bancos que revelarem um bom desempenho em emprestar à economia real poderão ver a taxa descer para -0,4% (igual à taxa aplicada pelo BCE aos depósitos nos seus cofres), ou seja, poderão ser remunerados em 0,4%. Os outros três leilões desta segunda série TLTRO ocorrerão em setembro e dezembro deste ano e em março de 2017.

O Reino Unido realiza amanhã o referendo sobre a sua saída ou permanência na União Europeia. O monitor de sondagens do “Financial Times”, que referia uma vantagem de um ponto percentual para o Brexit, na atualização deste final de tarde aponta, de novo, para um empate entre as duas opções. Algumas praças financeiras da Ásia ainda fecharão na quinta-feira antes da abertura das urnas britânicas. Segundo a BBC, resultados globais fiáveis só deverão ser conhecidos já na madrugada de sexta-feira, depois de abrirem as bolsas asiáticas que serão as primeiras a sofrer o impacto dos resultados.