Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Brexit provocou “efeito tesoura” nos juros da dívida. Subidas nos periféricos do euro, descidas nos títulos refúgio

No dia desta semana de maior pressão do Brexit, na quinta-feira, no prazo a 10 anos, os juros das Obrigações do Tesouro português subiram para quase 3,5%, e os juros das Bunds alemãs fixaram mínimo histórico em terreno negativo

Jorge Nascimento Rodrigues

O auge do risco de Brexit provocou, esta semana, no mercado secundário da dívida, um “efeito tesoura”, com as duas lâminas a afastarem-se o máximo a 16 de junho, no pico do pânico financeiro. As yields subiram nos periféricos do euro, entre eles Portugal, e desceram para mínimos históricos na Alemanha, Japão, Suíça e Reino Unido e para mínimos desde agosto de 2012 nos Estados Unidos.

O pico do risco de Brexit – de vitória do sim à saída do Reino Unido da União Europeia no referendo de 23 de junho, na próxima semana – ocorreu na quinta-feira passada, 16 de junho, precisamente uma semana antes da ida às urnas, e abrandou, depois, esta sexta-feira, com a repercussão do assassinato da deputada britânica Jo Cox. Os analistas dos mercados financeiros admitem que tenha ocorrido, então, um “ponto de inflexão”, nas palavras de Marc Chandler, e que as probabilidades do Brexit desçam, ainda que tenha sido adiada a divulgação de sondagens.

As yields das Obrigações do Tesouro português (OT) no prazo de referência, a 10 anos, subiram 21 pontos base durante a semana, tendo fechado em 3,31% esta sexta-feira. Chegaram a registar 3,49% durante a sessão de quinta-feira. A Grécia liderou as subidas semanais naquele prazo; as yields das obrigações helénicas saltaram de 7,5% a 10 de junho para 8,16% a 17 de junho, apesar do Eurogrupo e da Comissão Europeia terem dado por concluído o primeiro “exame” no âmbito do terceiro resgate e dado luz verde para o Mecanismo Europeu de Estabilidade desembolsar a primeira parte de 7,5 mil milhões de euros da segunda tranche. No caso das yields das obrigações espanholas, irlandesas e italianas, as subidas variaram entre 11 e 12 pontos base. Em 16 de junho, as yields das obrigações espanholas chegaram a 1,6%, das italianas a 1,5% e das irlandesas a 0,9% (neste caso, um nível que já não se observava desde a crise grega de fevereiro).

O prémio de risco das dívidas dos periféricos subiu. O prémio para Portugal aumentou 18 pontos base e fechou em 329,2 pontos base, um diferencial de quase 3,3 pontos percentuais em relação ao custo de financiamento da dívida alemã. Fechou num máximo de 18 semanas. O maior aumento semanal registou-se para a Grécia.

Alemanha entra e sai do “clube” dos juros negativos a 10 anos

O pânico gerado pelo risco de Brexit – percecionado com sondagens sucessivas dando uma vantagem clara à opção de saída do Reino Unido da UE – levou a uma corrida a títulos seguros por parte dos investidores, o que gerou descidas significativas nas yields das obrigações a 10 anos de algumas das principais economias desenvolvidas.

Em quatro casos, a descida originou a fixação de mínimos históricos no prazo a 10 anos; num dos casos, o da Alemanha, as yields das Bunds (designação alemã) entraram em terreno negativo pela primeira vez na história, se se descontar o período excecional de hiperinflação em 1922 e 1923.

As yields das Bunds a 10 anos desceram de 0,021% a 10 de junho para um mínimo histórico de -0,038% registado durante a sessão de 16 de junho, mas fecharam a semana, de novo, em terreno positivo, registando 0,016%.

As yields das obrigações japonesas e suíças a 10 anos fixaram novos mínimos históricos em terreno negativo durante a sessão de 16 de junho, caindo para -0,202% e -0,534% respetivamente. Fecharam a semana em -0,147% para as obrigações nipónicas e -0,494 para as obrigações helvéticas. No prazo a 10 anos, as yields estão em terreno negativo desde 24 de fevereiro deste ano para o Japão e desde julho do ano passado para a Suíça.

No caso das próprias obrigações britânicas, conhecidas pela designação de Gilts, as yields no prazo a 10 anos desceram para um mínimo histórico de 1,072% durante a sessão de 16 de junho, tendo fechado a semana em 1,14%, nove pontos base abaixo do encerramento a 10 de junho.

As yields das obrigações do Tesouro norte-americano no prazo a 10 anos desceram para 1,52% a 15 de junho, um mínimo desde agosto de 2012, e fecharam em 1,61%, três pontos base abaixo do encerramento a 10 de junho.

O risco de Brexit foi sublinhado pelos três bancos centrais mais importantes que realizaram reuniões de política monetária esta semana – a Reserva Federal norte-americana, o Banco do Japão e o Banco de Inglaterra.