Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Operadores “estão a regressar” ao Porto de Lisboa

  • 333

Luís Barra

“Já existem operadores que estão a regressar. Claro que nunca é a 100%. Mas esperamos recuperar a atividade que tínhamos antes da greve dos estivadores ao longo deste ano”, diz a presidente da administração do Porto de Lisboa

A presidente da Administração do Porto de Lisboa disse esta quinta-feira que há operadores que já retomaram as operações e que espera até ao final do ano recuperar a atividade para os níveis anteriores à greve dos estivadores.

"Já existem operadores que estão a regressar. Claro que nunca é a 100%. Mas esperamos recuperar a atividade que tínhamos antes da greve dos estivadores ao longo deste ano", disse a presidente da Administração do Porto de Lisboa, Lídia Sequeira, à agência Lusa, à margem de uma conferência em Lisboa.

A responsável referiu também que "foram feitos contactos" com os operadores, no sentido de retomar operações que foram afetadas devido à greve dos estivadores.

A movimentação de cargas e descargas voltou a efetuar-se no Porto de Lisboa a 30 de maio, 40 dias após o início da greve dos estivadores, que foi cancelada após terem chegado a acordo com os operadores.

A greve dos estivadores do Porto de Lisboa foi cancelada a 28 de maio, após os trabalhadores portuários terem dado luz verde ao compromisso alcançado na noite anterior entre o sindicato e os operadores, com a mediação da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

A última fase de sucessivos períodos de greve, que se iniciou há três anos e meio, arrancou a 20 de abril com os estivadores do Porto de Lisboa em greve a todo o trabalho suplementar em qualquer navio ou terminal, isto é, recusavam trabalhar além do turno, aos fins de semana e dias feriados.

A paralisação fora prolongada através de sucessivos pré-avisos de greve devido à falta de entendimento entre estivadores e operadores portuários sobre o novo contrato coletivo de trabalho.

O sindicato e operadores estavam a negociar um acordo coletivo de trabalho desde janeiro, mas as negociações foram suspensas no início de abril.