Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida. Alemanha e Reino Unido com novos mínimos

  • 333

Os juros das obrigações alemãs a 10 anos caíram durante esta quinta-feira para 0,023%, um novo mínimo histórico. As obrigações britânicas no prazo de referência desceram para 1,22%, um mínimo desde 1989. Juros das obrigações portuguesas descem para 3,06%

Jorge Nascimento Rodrigues

Os mercados da dívida soberana registaram esta quinta-feira dois mínimos na Europa, sintoma do aumento da perceção de riscos por parte dos investidores e da corrida destes a títulos seguros.

No mercado secundário, as yields das obrigações alemãs a 10 anos chegaram a descer durante a sessão até 0,023%, um mínimo histórico, tendo fechado em 0,034%, abaixo do valor de encerramento do dia anterior em 0,055%. A trajetória destas yields aponta para a probabilidade crescente de passagem a terreno negativo, ou seja, os investidores “pagarem” para terem em carteira Bunds a 10 anos. Atualmente, registam taxas negativas no prazo a 10 anos, as obrigações do Japão (yields fecharam hoje em 0,127%) e da Suíça (yields encerraram em -0,45%).

As yields das obrigações britânicas a 10 anos registaram, também, esta quinta-feira um mínimo desde que a Bloomberg acompanha a sua evolução desde 1989. Fecharam em 1,245%, tendo chegado a descer para 1,222%.

O recrudescimento de fatores de risco associados ao referendo no Reino Unido sobre a permanência ou saída (Brexit) da União Europeia, às eleições em Espanha (com as sondagens a apontarem para a coligação Unidos Podemos ficar em segundo lugar), à incerteza sobre os sinais que poderá dar a reunião da Reserva Federal na próxima semana, à crítica pública crescente na Europa contra a política monetária do Banco Central Europeu (BCE) que tem alimentado a trajetória descendente do custo de financiamento de endividamento dos Estados do euro para níveis historicamente baixos, e as revisões em baixa do crescimento mundial (a última das quais pelo Banco Mundial) estão a alimentar o “sentimento” negativo entre os investidores, o que os empurra para títulos soberanos seguros.

O jornal alemão “Handelsblatt” já fala de um “absurdistão” criado pelas políticas do BCE que levaram a que a yield efetiva de toda a dívida obrigacionista alemã seja de -0,17% e a da Holanda de -0,04%. Outros dois países, fora da União Europeia, com yield efertiva negativa de toda a dívida obrigacionista são o Japão (-0,09%) e a Suíça (-0,47%). A yield efetiva é a yield total que um investidor recebe assumindo que reinveste o cupão quando recebe o pagamento dos juros. A yield efetiva para as OT portuguesas está em 2,17% e a do conjunto da zona euro em 0,43%.

Esta quinta-feira ficou marcada pela descida das yields das obrigações no prazo de referência em todos os periféricos do euro. No caso das Obrigações do Tesouro português a 10 anos, as yields desceram dois pontos base em relação ao dia anterior fechando em 3,06%.