Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Draghi pede reformas estruturais

  • 333

FRANCOIS LENOIR / Reuters

O presidente do Banco Central Europeu diz que as reformas no mercado do trabalho feitas por Portugal durante o programa de ajustamento conseguiram reduzir a taxa de desemprego em cerca de três pontos percentuais no período 2011-2014

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, apelou esta quinta-feira aos diferentes Governos da zona euro para prosseguirem com as reformas estruturais, defendendo que atrasar essas medidas terá um custo "demasiado elevado".

"Há muitas razões políticas para atrasar as reformas estruturais, mas poucas razões económicas para o fazer. O custo de as atrasar é demasiado elevado", afirmou Mario Draghi, no Fórum Económico de Bruxelas, que decorre esta quinta-feira na capital belga.

Para o presidente do BCE, dada a interação que existe entre as diferentes políticas económicas, "é do interesse de todos que as diferentes formas de política se apoiem umas às outras, nem que seja porque isso reduziria o tempo para as reformas produzirem os seus efeitos".

Mario Draghi iniciou o seu discurso em Bruxelas afirmando que "a política monetária não existe no vazio" e defendendo a relevância das restantes políticas económicas, que podem "reforçar ou diluir" os efeitos da política do BCE.

"A política monetária pode ser decisiva para apoiar a procura, estabilizar as expectativas de inflação e para prevenir efeitos de segunda linha nos preços e nos salários, e é isso que o BCE tem feito nos últimos dois anos. Mas a orientação de outras políticas também influencia o regresso do produto ao seu potencial. Por isso, se outras políticas não estão alinhadas com a política monetária, arriscamos a que a inflação atinja o seu objetivo [de ficar próxima, mas abaixo de 2% no médio prazo] num ritmo mais lento", defendeu.

Nesse sentido, o líder do BCE destacou um conjunto de políticas que, a nível financeiro e orçamental, influenciam a economia no seu todo.

"A consolidação orçamental em alguns países foi implementada sobretudo através do aumento dos impostos e não no corte da despesa (…), atrasou o regresso do produto ao seu potencial", considerou, admitindo que isso não teria acontecido caso a política orçamental fosse "mais encorajadora".

Mario Draghi defendeu ainda a necessidade de continuar - e avançar - com as "reformas estruturais corretas", o que pode criar as condições para "o BCE regressar às políticas de taxas de juro convencionais como forma de alcançar a estabilidade de preços".

Considerando que na zona euro foram implementadas várias reformas estruturais com resultados nos últimos anos, o presidente do BCE afirmou que "ainda há muitos mais benefícios que podem ser alcançados e muito que ainda pode ser feito".

Mario Draghi exemplificou com Portugal, considerando que "as reformas no mercado de trabalho, introduzidas durante o programa de ajustamento, reduziram a taxa de desemprego cerca de três pontos percentuais no período 2011-2014".

Por fim, o líder do BCE considerou que a incerteza quanto à estabilidade da zona euro também influencia a política monetária, "porque também pode abrandar os seus efeitos", defendendo ser necessário "restaurar a clareza e a confiança no sistema institucional da zona euro".

Assim, concluiu, "todas as áreas políticas têm o seu papel" e "todos os decisores políticos têm uma motivação forte" para avançar com as reformas.

"O tempo é importante. Um regresso muito lento da economia ao seu potencial está longe de ser inócuo. Pelo contrário, tem consequências económicas duradouras no tempo, uma vez que pode levar à erosão desse potencial", disse.

Nesse sentido, Mario Draghi defendeu que elevar o produto para perto do seu potencial "está relacionado, acima de tudo, com as reformas estruturais" no emprego e na produtividade, considerando que em ambas as áreas "há margem" na zona euro para o fazer.