Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida portuguesa reaproximam-se de 3%. Alemanha a caminho de 0%

  • 333

No mercado secundário, prosseguiu esta quarta-feira a queda dos juros das Obrigações do Tesouro português a 10 anos. Juros das obrigações alemãs no prazo de referência chegam a cair durante o dia para 0,033%, novo mínimo

Jorge Nascimento Rodrigues

O mercado secundário da dívida soberana da zona euro registou uma segunda sessão consecutiva de queda das yields nas obrigações no prazo de referência, a 10 anos, da maioria dos países periféricos. Na terça-feira a exceção foi a Grécia, esta quarta-feira foi a Irlanda.

As yields das Obrigações do Tesouro português (OT) a 10 anos caíram esta quarta-feira para 3,08%, uma redução de quatro pontos base em relação ao dia anterior e de 12 pontos base face ao início da semana, quando encerrara, em 3,2% na segunda-feira.

As yields das obrigações irlandesas no prazo de referência divergiram da maioria dos periféricos esta quarta-feira, mas a subida foi de apenas um ponto base.

O prémio de risco da dívida portuguesa desceu para 302,2 pontos base, um diferencial de mais de 3 pontos percentuais em relação ao custo de financiamento da dívida alemã. Trata-se de um prémio ainda elevado, se comparado com 137 pontos para a dívida espanhola, 125 para a dívida italiana e 70 para a dívida irlandesa.

A Alemanha voltou a marcar o dia no mercado secundário da dívida a 10 anos com as yields das suas obrigações a fixarem um novo mínimo histórico de 0,033% durante a sessão, tendo fechado sem alteração em relação ao encerramento de terça-feira, em 0,055%, um mínimo histórico em valor de fecho.

O IGCP, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, regressou ao mercado obrigacionista colocando hoje mil milhões de euros através de dois leilões das linhas de OT que vencem em 2021 e 2025. A procura foi mais elevada do que em emissões anteriores similares. As taxas de colocação ficaram próximas das registadas no mercado secundário e foram superiores – muito ligeiramente no prazo a cinco anos - às pagas nas duas emissões similares anteriores.

  • O IGCP realizou esta quarta-feira dois leilões de obrigações a cinco e a nove anos tendo emitido mil milhões de euros pagando mais do que em emissões similares anteriores, mas em linha com as yields no mercado secundário. A procura pelos investidores foi superior