Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Escassez de sardinha dita quebra na exportação de conservas

Luís Barra

Peixe congelado ultrapassa pela primeira vez as conservas nas exportações portuguesas

As exportações de conservas, tradicionalmente o produto de pesca mais exportado, caíram em 2015 para a terceira posição, um decréscimo para o qual terão contribuído as restrições à pesca de sardinha, segundo as Estatísticas da Pesca do Instituto Nacional de Estatística.

As exportações de pescado atingiram 1031 milhões de euros em 2015, o que representa um aumento de 12,2% relativamente a 2014 (mais 112 milhões de euros), de acordo com os dados divulgados esta terça-feira.

No entanto, o saldo da balança comercial manteve-se deficitário (735 milhões de euros, que compara com 659,6 milhões de euros em 2014), face ao acréscimo de 11,9% das importações, que atingiram 1766 milhões de euros.

As conservas foram ultrapassadas pelos “peixes congelados, exceto filetes” que, pela primeira vez, foram a principal categoria exportada, com um valor de exportação de 199,5 milhões de euros e um peso de 19,4%.

Os “moluscos e invertebrados” ascenderam ao segundo lugar, com as exportações a valerem 197,8 milhões de euros, o segundo maior acréscimo em valor face ao ano anterior (31,7 milhões de euros, correspondendo a 19,1%).

O grupo das conservas apresentou o maior decréscimo em 2014 e as suas exportações continuaram a diminuir em 2015 para 185,4 milhões de euros (-3,9%), pesando agora 18,0% (-3,0 pontos percentuais face a 2014).

Este decréscimo resulta fundamentalmente da redução nas exportações de ‘sardinhas, sardinelas e espadilhas’ (na ordem dos 6%, correspondendo a -3,3 milhões de euros) e dos ‘atuns, bonitos listrados ou bonitos” (-15,6%, correspondendo a -9,3 milhões de euros), para o qual terão contribuído as restrições à captura de sardinha, justifica o INE.

Mesmo assim, o saldo das transações de conservas continuou a ser favorável a Portugal, correspondendo a um excedente de 66,6 milhões de euros, superior em 14,8 milhões de euros ao registado em 2014.

Os dados relativos à indústria transformadora da pesca e aquicultura (de 2014) indicam que a produção conjunta de “congelados”, “secos e salgados” e “preparações e conservas” atingiu 241 mil toneladas (-2,0% em relação ao ano anterior).

As “preparações e conservas” não ultrapassaram as 46 mil toneladas, destacando-se a diminuição de 20,6% nas conservas de sardinhas.