Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Mercado online de arte cresce 24% em 2015

  • 333

O comércio online já é responsável por 5,1% das vendas globais de arte, com um volume de transações que ultrapassou os 2,7 mil milhões de euros no ano passado

Apesar do contexto económico pouco favorável para investimentos em arte e um mercado global a registar uma queda de 7% em 2015, sobretudo devido à contração do mercado chinês, a arte online cresceu 24% face ao ano anterior, gerando mundialmente um volume de transações superior a 2,9 mil milhões de euros. Estes dados constam no mais recente estudo “O Mercado Online de Arte”, realizado pela seguradora especializada em arte Hiscox, com base em respostas de 672 compradores internacionais.

De acordo com a análise da Hiscox, espera-se que o volume de transações online triplique em 2020, aproximando-se dos 9 mil milhões de euros.

Para já, o mercado online é responsável por 5,1% das vendas globais de arte. Em 2015, quase metade (49%) dos consumidores inqueridos tinham feito pelo menos uma compra online, em comparação com 39% em 2014. O estudo da Hiscox revela ainda que o número de clientes que preferem a Internet aumentou, sendo que 92% afirmam que irão adquirir, pelo menos, a mesma quantidade de obras ou mais, nos próximos 12 meses.

As galerias tradicionais também tentam adaptar-se a esta realidade. A plataforma de venda online da Christie’s está em primeiro lugar no ranking da Hiscox, enquanto a Sotheby’s está listada em quarto lugar, a par com os principais concorrentes exclusivamente online: Artnet, Artsy, Paddle8 e Auctionata.

Sublinhe-se que, de acordo com o estudo da seguradora, a leiloeira Christie’s registou um aumento de 11% nas vendas em 2015, para 32,6 milhões de euros, e viu o número de compradores online aumentar em 10%. A Sotheby’s anunciou que as suas vendas online, em 2015, situavam-se acima dos 90 milhões de euros, crescendo 39% o número de compradores online, dos quais 32% são novos clientes.