Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Despedimento coletivo é “terrorismo psicológico”, dizem os estivadores

  • 333

Luís Barra

O presidente do Sindicato dos Estivadores classificou hoje de "terrorismo psicológico" e "atentado ao Estado de direito" o anúncio de um despedimento coletivo e a presença da PSP no Porto de Lisboa, para acompanhar retirada de contentores retidos

O presidente do Sindicato dos Estivadores classifica de "terrorismo psicológico" e "atentado ao Estado de direito" o anúncio de um despedimento coletivo e a presença da PSP no Porto de Lisboa, para acompanhar retirada de contentores retidos pela greve prolongada.

António Mariano reagia assim esta terça-feira, em declarações à agência Lusa, ao anúncio pelos operadores do Porto de Lisboa de que vão avançar com um despedimento coletivo por redução de atividade, e à presença de uma equipa da PSP, esta manhã, na zona de Alcântara, em Lisboa, numa medida de prevenção para a retirada de contentores retidos há cerca de um mês, quando começou a greve dos estivadores.

"Temos aqui o terminal de Alcântara rodeado de Polícia de Intervenção, a colocar dentro do terminal fura-greves, trabalhadores dessa empresa [Porlis], sem que os estivadores tivessem sido colocados, pois não foram pedidos serviços mínimos para aqui", declarou.

Segundo António Mariano, já não é só o direito à greve que está em causa, mas o "Estado de direito". "A partir de hoje, não é só o direito à greve que está em causa, mas o Estado de direito. Numa situação de greve, chega-se com a Policia de Intervenção, viola-se o direito à greve e retira-se daqui os materiais que nós não movimentamos porque não estão cobertos pelos serviços mínimos", sublinhou António Mariano.

No que diz respeito ao anúncio de despedimento coletivo, António Mariano diz que "não está surpreendido" e lembra que os operadores já o tinham feito duas vezes, em 2013 e 2015. "São empresários habituados aos despedimentos coletivos. Não nos espanta nada. O anúncio foi mais um elemento do nível de terrorismo psicológico para onde eles querem elevar esta situação. Não temos nada de concreto sobre isso, a não ser o anúncio desses senhores", reage.

O sindicalista garante que os trabalhadores sempre "estiveram disponíveis para negociar, mas não para fazer o que as empresas querem". "Há pelo menos um aspeto positivo do que foi ontem [segunda-feira] anunciado: é que pela primeira vez, formalmente e oficialmente, as empresas reconheceram a possibilidade de fechar, suspender a atividade dessa segunda empresa paralela de estivadores", afirmou António Mariano à Lusa, referindo-se à Porlis, uma empresa, que segundo o sindicalista, foi criada pelos empresários com o "objetivo de levar à insolvência a empresa onde trabalham".

"Nós estamos disponíveis para trabalhar um turno e não dois, o que dizemos também é que não trabalhamos com essa empresa alternativa", sublinhou.

António Mariano garantiu que "tudo o que são bens deterioráveis, alimentares, granéis para as ilhas, está a ser feito". "Estamos a fazer tudo o que está nos despachos desde 2 de maio, quando entraram em execução. O que vêm aqui fazer hoje [ao Porto de Lisboa] é retirar outras cargas por outros interesses", frisou.

António Mariano garantiu que o sindicato vai manter-se no Porto de Lisboa para acompanhar a situação, que, em sua opinião, só pode ser resolvida com uma intervenção política.

O presidente do sindicato salientou ainda que os trabalhadores não se reuniram nem com empresas nem com o Governo. "Não reunimos, não há nenhuma rejeição de acordo. Querem é chegar a este estado de pânico. Nós estamos perfeitamente calmos. Eles que avancem para o despedimento coletivo", concluiu.

[Notícia atualizada às 11h32]