Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Despedimento coletivo no porto de Lisboa. Rutura total entre operadores e estivadores

  • 333

Tiago Miranda

Gorada uma nova tentativa entre operadores e estivadores para chegarem a acordo na sexta-feira passada sobre um contrato coletivo de trabalho, os operadores propõem um despedimento coletivo. O Sindicato dos Estivadores não indicou ninguém da direção para comentar

É a "rutura total entre os operadores do porto de Lisboa e os trabalhadores da estiva", comenta ao Expresso o responsável da Associação dos Agentes de Navegação de Portugal. Em causa está o processo de despedimento coletivo solicitado esta segunda-feira pela Associação dos Operadores do Porto de Lisboa –alegando que "a respetiva tramitação legal é fácil de fundamentar" porque o porto de Lisboa "está completamente parado", referiu publicamente o presidente da Associação dos Operadores do Porto de Lisboa (AOPL), Morais Rocha.

A decisão sobre o despedimento coletivo "por redução da atividade" foi tomada pelos operadores depois do Sindicato dos Estivadores ter recusado, na sexta-feira, a nova proposta para um novo contrato coletivo de trabalho.

"A crispação sobe de tom e nota-se um óbvio desgaste total da relação entre operadores e estivadores do porto de Lisboa", comenta Belmar da Costa a título pessoal, manifestando fortes "dúvidas sobre o futuro do Porto de Lisboa, porque uma solução deste tipo revela a incapacidade de ambas as partes de poderem entender-se e isso é mau para o porto de Lisboa e é mau para Portugal".

"Com a degradação da atividade do porto de Lisboa, pela importância que tem no sistema portuário nacional, é o produto interno bruto (PIB) português que sofre e isso não é bom para ninguém", adianta

Do lado da AOPL, Morais Rocha reconhece que todas as tentativas de entendimento "chegaram ao limite". Da parte do Governo, a ministra do Mar Ana Paula Vitorino fez diversas tentativas para promover o debate e o encontro de posições, com vista a realização de um novo contrato coletivo de trabalho.
Contactado pelo Expresso, o Sindicato dos Estivadores diz que não pode comentar esta informação porque "não está ninguém da direção".

Como diz Belmar da Costa, neste processo – que se arrasta há mais de quatro anos – tudo foi levado ao extremo, e "quem perde é o país". Do lado dos operadores, a Liscont, o terminal de Santa Apolónia (a Sotagus), o Terminal Multiusos do Beato e o Multiterminal, que integram a AOPL, chegaram manifestamente ao limite da capacidade de negociação.