Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bayer lança OPA de €55 mil milhões de euros sobre a Monsanto

  • 333

Brendan McDermid / Reuters

Caso a compra se concretize, a Bayer reforça a presença no sector da agricultura e da biotecnologia, uma vez que a Monsanto é um dos principais fabricantes de milho e soja nos Estados Unidos

São sessenta e dois mil milhões de dólares, ou 55,2 mil milhões de euros na conversão para a moeda europeia. O valor representa um recorde para uma OPA (oferta pública de aquisição) lançada por uma empresa alemã, mas são estes os números da OPA que a farmacêutica Bayer lançou sobre a norte-americana Monsanto, à procura de abrir caminho para a criação do maior produtor mundial de produtos quimicos para a agricultura e de sementes geneticamente modificadas.

Por cada ação da Monsanto, a Bayer oferece, assim, 122 dólares (108,7 euros), o que representa um prémio de 20% face ao fecho dos títulos da Monsanto na última sexta-feira.

Numa altura em que ainda não está definido se a OPA é amigável ou vai ser rejeitada, a Bayer deverá fazer um aumento de capital para financiar a operação que promete ser a maior OPA de sempre de uma empresa alemã e um dos maiores negócios do ano.

Em comunicado, o presidente-executivo da Bayer Werner Baumann põe em foco o potencial de sinergias a criar e afirma que o seu grupo há muito que olhava para os negócios da Monsanto, "partilha a sua visão para criar um negócio integrado que pode gerar valor para os acionistas" e que juntos podem "aproveitar a experiência de ambas as empresas".

As duas empresas estão envolvidas em “discussões construtivas” sobre o negócio, refere o gestor.

Caso a compra se concretize, a Bayer reforça a presença no sector da agricultura e da biotecnologia, uma vez que a Monsanto é um dos principais fabricantes de milho e soja nos Estados Unidos.

Num sector que tem vindo a ser alvo de operações de consolidação nos últimos meses, a Monsanto também tentou, recentemente, comprar o fabricante de pesticidas suiço Syngenta, mas a empresa visada acabou por passar para o controlo da China National Chemical, que ofereceu 48 mil milhões de dólares (42,7 mil milhões de euros), em fevereiro, enquanto a DuPont e a Dow Chemical estão a caminho de uma fusão.