Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Sonae lucra mais 35,3% no primeiro trimestre

  • 333

Volume de negócios do grupo liderado por Paulo Azevedo cresce 6% e atinge os 1,215 mil milhões de euros

Os lucros da Sonae SGPS cresceram 35,3% nos primeiros três meses do ano, para 29 milhões de euros, anunciou hoje o grupo liderado por Paulo Azevedo, que criou 1.800 postos de trabalho entre janeiro e março, comparativamente ao período homólogo do ano passado.

De acordo com os indicadores hoje divulgados pela empresa, o volume de negócios aumentou 6%, para 1,215 mil milhões, o EBITDA passou para 120 milhões de euros (mais 67,8%), o investimento líquido somou 58 milhões de euros e a dívida líquida diminuiu 168 milhões de euros, para 1,309 mil milhões.

"O primeiro trimestre de 2016 na Sonae ficou marcado pelo crescimento dos níveis de atividade dos negócios de maior dimensão (Retalho 6%, Telecomunicações 8%), acompanhado por significativos acréscimos de produtividade das vendas em universos comparáveis", refere o co-presidente executivo da empresa, Ângelo Paupério, num comentário aos resultados do trimestre.

No desempenho do grupo, o gestor destaca, ainda, a concretização de operações de venda de ativos imobiliários no valor de 400 milhões de euros, em cumpriemnto da estratégia de reciclagem de capital da Sonae Sierra e da Sonae RP para reforço do esforço de desenvolvimento de novos projetos, e o aumento da exposição internacional, traduzida no crescimento de 18% das vendas de fora de Portugal e no peso dos capitais investidos no exterior, que representam 20% do total.

A empresa refere, ainda, que "não estão previstas necessidades de refinanciamento para os próximos 18 meses" e realça que a estrutura de capital "garante a capacidade financeira suficiente para explorar futuras oportunidades de crescimento".

Por áreas de negócio, o maior contributo continua a ser do retalho alimentar, com o volume de negócios da Sonae MC a crescer 4,6%, para os 830 milhões de euros. Num universo comparável de lojas da Sonae MC, o crescimento das vendas foi de 1,4%.