Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida grega e portuguesa continuam a descer

  • 333

Os juros das obrigações gregas e portuguesas a 10 anos voltaram a cair esta quinta-feira, enquanto nos restantes periféricos do euro se registaram subidas. A mais acentuada nas obrigações irlandesas

Jorge Nascimento Rodrigues

O mercado secundário da dívida soberana da zona euro fechou esta quinta-feira numa situação “mista” no prazo de referência, a 10 anos. As yields das obrigações gregas e portuguesas prosseguiram a trajetória de descida do dia anterior. Mas quanto às obrigações espanholas, italianas e irlandesas registaram-se subidas, com destaque para as yields das obrigações do “Tigre Celta” que aumentaram nove pontos base, fechando em 0,86%.

As yields das Obrigações do Tesouro português (OT), a 10 anos, desceram para 3,23%, um recuo de um ponto base em relação ao dia anterior. Desde o pico de 10 de maio, as yields já desceram 12 pontos base. Recorde-se que, na quarta-feira, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública realizou um leilão de OT no prazo a 10 anos tendo pago 3,252%.

No caso das obrigações gregas, naquele prazo de referência, as yields desceram esta quinta-feira sete pontos base, fechando em 7,4%, um nível similar aos registados em novembro do ano passado. Desde 6 de maio, este custo de financiamento já desceu mais de 1 ponto percentual (mais de 100 pontos base). A expetativa de um acordo para o fecho do primeiro exame ao terceiro resgate na reunião do Eurogrupo (órgão dos 19 ministros das Finanças do euro) a 24 de maio continua a alimentar o otimismo dos investidores na dívida grega.

A Irlanda destacou-se nas subidas desta quinta feira. As yields no prazo a 10 anos subiram nove pontos base para as obrigações irlandesas, cinco pontos base para as italianas e quatro pontos base para as espanholas. A pressão sobre a Irlanda deve-se ao risco de um impacto negativo no país dos resultados do referendo de manutenção ou saída da União Europeia que se vai realizar no Reino Unido a 23 de junho. Os analistas preveem que a agência de notação Moody’s manterá amanhã o rating da Irlanda em Baa1 não o graduando para A, o grau médio superior, em virtude do risco de Brexit (saída do Reino Unido da EU) e do seu contágio. A Moody’s é a única das três principais agências que mantêm a notação da Irlanda no grau médio inferior. A S&P atribui a notação A+ e a Fitch a notação A.