Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fact-checking: Os números que António Costa alegou estão corretos?

  • 333

TIAGO PETINGA / Lusa

O Expresso faz o fact-checking à entrevista do Primeiro-ministro à SIC para avaliar até que ponto os dados citados são suportados pelos números

“Tivemos um segundo semestre de 2015 em clara desaceleração” Verdadeiro
A economia nacional acelerou no ano passado face a 2014 – 1,5% contra 0,9% - mas chegou ao fim do ano a perder gás. O PIB cresceu 1,7% homólogos no primeiro trimestre, 1,5% no segundo, 1,4% no terceiro e 1,3% no quarto. As previsões apontam para uma estagnação ou até um novo abrandamento nos primeiros três meses do ano cujos primeiros dados serão divulgados pelo INE na próxima sexta-feira.

A Comissão Europeia pela primeira vez apresenta uma previsão de défice abaixo de 3%. Mesmo que ficássemos nos 2,7% previstos pela Comissão seria o défice mais baixo dos útimos anos ” Verdadeiro
Apesar dos reparos anteriores e do braço-de-ferro sobre a consolidação orçamental estrutural (eliminando o efeito do ciclo económico e fatores extraordinários), a Comissão Europeia estima um défice de 2,7% do PIB para este ano. Ou seja, abaixo dos 3%. É, de facto, a primeira que o faz relativamente a este ano já que em projeções anteriores apontava para valores acima desta fasquia. Este dado não é irrelevante porque, mesmo no cenário de Bruxelas, Portugal consegue ficar dentro do limite de Maastricht que é o objetivo primário dos governos europeus. Ainda que não permita cumprir o ajustamento estrutural que é outro dos objetivos impostos pelas regras europeias e que, no caso português, é de redução do défice estrutural em 0,6 pontos percentuais.

“Aquilo que explica o aumento do número de desempregados é haver mais pessoas à procura que saíram da inatividade” Verdadeiro
Quando se analisam os fluxos trimestrais entre as várias situações – emprego, desemprego e inatividade – encontra-se justificação para as palavras de António Costa. O número de desempregados aumentou em 6,3 mil no primeiro trimestre de 2016 e esse agravamento deveu-se à saída de pessoas da inatividade. Caso contrário, teria havido uma redução do desemprego. Mais concretamente, houve um saldo de 10,9 mil pessoas que passaram da inatividade para o desemprego e que só foi parcialmente compensado (4,6 mil pessoas) pelo saldo dos desempregados que encontraram um posto de trabalho. A diferença entre os dois dá precisamente os 6,3 mil novos desempregados. Recorde-se que o INE classifica como desempregado quem está sem trabalho e fez diligências para encontrar e como inativo quem, mesmo que sem emprego, nada tenha feito para sair dessa situação.

“Temos um aumento ligeiro do desemprego mas temos entre emprego criado e emprego destruído um saldo positivo neste trimestre de 5000 novos postos de trabalho” Falso
O nível de emprego na economia recuou nos primeiros três meses do ano face ao último trimestre de 2015. Portugal perdeu, em saldo, 48,2 mil postos de trabalho. Apenas na comparação com o primeiro trimestre de 2015 – ou seja, na variação homóloga – houve uma criação líquida de 36,2 mil empregos.

“Nas exportações, se retirar duas componentes fundamentais – automóveis e combustíveis – tiveram ate um aumento” Verdadeiro
Tal como o Primeiro-ministro refere, as exportações sem combustíveis e automóveis registam um crescimento homólogo no primeiro trimestre do ano. Mais concretamente, uma subida de 1% em vez da queda de 2% quando se analisa o total das exportações. Costa justificou esta situação com a manutenção da refinaria da Galp e com a introdução de um novo modelo na Autoeuropa em 2017 que atrasa a produção e exportação dos veículos. Tratam-se de dois produtos e indústria com enorme peso nas exportações portuguesas.