Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BdP arrasa gestão do BIC

  • 333

Fernando Teles e Luís Mira Amaral partilham a gestão do BIC Português e estão no centro das críticas do Banco de Portugal

Nuno Fox

Relatório do Banco de Portugal é extremamente crítico das políticas de controlo de risco do banco de Isabel dos Santos e Fernando Teles

Créditos aprovados que tinham sido chumbados pelo conselho de crédito, empréstimos cuja única garantia era dada pelo BIC Angola, um presidente não executivo que na prática geria o dia a dia da instituição, assembleias gerais onde só iam dois acionistas, reuniões de conselhos de administração onde Isabel dos Santos (a maior acionista) e administradora não executiva do banco foi apenas uma vez em três anos, reuniões da comissão executiva em número insuficiente e falta de transparência.

Estes são apenas alguns dos pontos que fazem parte da extensa lista de “horrores” que o Banco de Portugal detetou no BIC. O Expresso teve acesso ao relatório confidencial da inspeção que decorreu durante 2015. São mais de 55 findings que o regulador detetou nesta ação de fiscalização e que o leva a concluir que o “o BIC apresenta um conjunto de fragilidades relevantes na estrutura de governo interno, nomeadamente ao nível do funcionamento dos seus órgãos sociais, do envolvimento dos mesmos na definição, discussão e acompanhamento da estratégia e da atividade corrente do banco e da adequação dos recursos alocados às funções de controlo”.

O relatório é extremamente duro com alguns dos procedimentos internos do banco, principalmente com a atuação do Conselho de Administração, na figura do seu presidente Fernando Teles, bem como do Conselho Fiscal e com a gestão do risco de crédito.


Leia mais na edição deste fim de semana