Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Eurogrupo: “Não esperem quaisquer acordos hoje” entre a Grécia e os credores

  • 333

EMMANUEL DUNAND / AFP / Getty Images

“Se tivermos algum progresso no conteúdo do programa e nos próximos passos, então iniciaremos a discussão sobre a dívida. Estamos apenas no início”, declarou esta sexta-feira Jeroen Dijsselbloem à entrada da reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro

Apesar de existir algum progresso em direção a um consenso no âmbito do cumprimento das condições do terceiro resgate, os credores internacionais e a Grécia não devem chegar a um acordo esta sexta-feira que permita desbloquear novos empréstimos e iniciar conversações sobre o alívio da dívida.

O presidente do Eurogrupo Jeroen Dijsselbloem asseverou que tem ouvido “boas notícias de Atenas” (visível nos dados do Eurostat revelados esta quinta-feira), mas ainda é preciso ver “em que pé estamos”. “Se tivermos algum progresso no conteúdo do programa e nos próximos passos, então iniciaremos a discussão sobre a dívida. Estamos apenas no início dessa discussão sobre a dívida. Estamos apenas no início dessa discussão, por isso não esperem quaisquer acordos hoje.”

O ex-conselheiro da Comissão Europeia e economista Paul De Grauwe declarou esta semana ao jornal holandês “NRC Handelsblad” que Dijsselbloem “age como se tivesse superioredade moral”, relembrando que tanto credores como devedores têm responsabilidades.

Também a diretora do Fundo Monetério Internacional, Christine Lagarde, garantiu que “ainda há mais trabalho a fazer. Estamos determinados a continuar. Ainda não estamos lá”. O resgate tem de “andar sobre duas pernas: as reformas e a sustentabilidade da dívida”, acrescentou Lagarde, à entrada para a reunião de ministros das Finanças da zona euro esta sexta-feira, em Amesterdão, recordando que “ainda há mais a fazer e é preciso acordar a sustentabilidade da dívida.” “É vitalmente importante.”

  • Tsipras recusa mais austeridade e insiste no alívio da dívida

    Depois de a Comissão Europeia ter anunciado esta quinta-feira que a Grécia registou um excedente orçamental primário de 0,7% do PIB em 2015, o primeiro-ministro grego insiste que o país não precisa de medidas adicionais. Impasse entre Bruxelas e o FMI prossegue

  • Juncker sai em defesa de Tsipras. Ressuscitar a Grexit é brincar com o fogo

    O presidente da Comissão Europeia diverge do FMI quanto à estratégia a seguir em relação à conclusão do primeiro exame ao terceiro resgate à Grécia. Em entrevista ao site financeiro grego Euro2day também defendeu que a reestruturação da dívida helénica deve ser discutida e condenou os que regressaram com o aviso de uma saída da Grécia do euro ( Grexit)