Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida estão a subir na zona euro antes de reunião do BCE

  • 333

Espanha e França foram esta quinta-feira ao mercado obrigacionista e pagaram mais aos investidores em quase todos os prazos. No mercado secundário, os juros no prazo de referência estão em alta com maiores subidas para Espanha e Irlanda. BCE divulga decisões às 12h45

Jorge Nascimento Rodrigues

A menos de duas horas da divulgação das conclusões da reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), as yields das obrigações dos países da zona euro no prazo de referência, a 10 anos, estão em alta no mercado secundário da dívida soberana, com exceção da Grécia. Entre os periféricos da moeda única, as subidas mais acentuadas registam-se para as obrigações espanholas e irlandesas.

As yields das Obrigações do Tesouro português, naquele prazo, subiram esta quinta-feira para 3,17%, três pontos base acima do fecho do dia anterior. As yields das obrigações espanholas e irlandesas subiram seis pontos base, as das obrigações alemãs e francesas avançaram cinco pontos base e as das italianas quatro pontos base.

No caso da Grécia, as yields das obrigações a 10 anos desceram três pontos base para 9,25%, apesar de não se saber se os credores oficiais e o governo de Atenas chegarão a um entendimento para o fecho do primeiro exame ao terceiro resgate até à reunião do Eurogrupo (órgão de reunião dos ministros das Finanças da zona euro) de amanhã.

Os Tesouros espanhol e francês foram esta quinta-feira de manhã ao mercado obrigacionista e colocaram dívida em vários prazos, pagando, na maioria deles, taxas de remuneração superiores às registadas nas operações similares anteriores.

O Tesouro espanhol colocou 2548 milhões de euros em títulos a 10, 15 e 30 anos, apenas pagando menos no prazo de mais longo prazo. No prazo de referência, a 10 anos, teve de pagar uma taxa marginal de 1,617% acima de 1,507% na emissão anterior. O Tesouro francês emitiu cerca de 6 mil milhões de euros aceitando taxas mais elevadas nas duas emissões a cinco e seis anos do que na emissão similar anterior, ainda que se mantenham em terreno negativo, ou seja, os investidores continuam a “pagar” para deter estes títulos franceses.

À espera de Draghi

Os analistas e investidores aguardam que o BCE dê esta quinta-feira mais detalhes sobre o novo programa de compra de obrigações de empresas não financeiras da zona euro que tenham notação não especulativa e que deverá ser lançado no final deste primeiro semestre.

Os economistas ouvidos pela Bloomberg apontam para um montante mensal de 8,8 mil milhões de euros naquele tipo de títulos que somam um valor atual de 1,2 biliões de euros elegíveis.

O BCE divulgará o comunicado da reunião pelas 12h45 (hora de Portugal) e a partir das 13h30 Mario Draghi, o presidente do banco central, dá uma conferência de imprensa onde as críticas oriundas de políticos alemães à estratégia monetária expansionista poderão receber uma resposta.