Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Vítor Gaspar: “A política orçamental deve estar orientada para o crescimento”

  • 333

Vítor Gaspar, Diretor do Departamento de Assuntos Orçamentais do FMI

D.R.

Para o ex-ministro das Finanças português os países da zona euro devem usar toda a flexibilidade permitida pelas regras orçamentais para estimular o crescimento e promover o investimento público. Em entrevista ao Expresso, por escrito, a partir de Washington onde apresentou esta semana o relatório Fiscal Monitor do Fundo Monetário Internacional (FMI), diz que a estratégia deve ser vista caso a caso mas avisa que há riscos e que a política orçamental deve ser virada para o crescimento. Sobre uma reestruturação da dívida na zona euro, a resposta é um rotundo “não”.

O Fiscal Monitor avisa que é urgente um “pacote de políticas abrangentes” que acelere o crescimento e reduza as vulnerabilidades. Quais são as medidas mais urgentes?


As maiores urgências estão, por um lado, associadas a recomendações dirigidas a membros do FMI e, por outro, a nível global, à necessidade de estar preparado para atuar, de forma coordenada, no caso de se concretizarem riscos recessivos e desinflacionistas. Mas isso não nos deve desviar da necessidade de construir Finanças Públicas robustas e de apoiar o crescimento sustentável. Para estar em posição de gerir riscos orçamentais, é importante, em primeiro lugar, assegurar transparência, pontualidade e qualidade da informação orçamental; em segundo lugar, identificar e quantificar os riscos orçamentais relevantes; em terceiro lugar, adotar políticas para minorar e gerir esses riscos; e, em último lugar mas não menos importante, a criação de uma margem de segurança que permita ao sector público o desempenho da função de ‘segurador de última instância’.Finalmente, estudos recentes do FMI, mostram que políticas orçamentais estruturais, do lado da despesa ou do lado da receita, podem produzir ganhos de crescimento de cerca de 0,75%, nas economias avançadas. Este dividendo de crescimento é ainda mais importante para as economias em desenvolvimento.

Leia mais na edição deste fim de semana