Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

FMI em Angola. “Uma boa notícia”, diz Ferraz da Costa

  • 333

Getty

O empréstimo do FMI ajuda à estabilidade cambial, ao investimento e ao aproveitamento do potencial produtivo do país, verifica Pedro Ferraz da Costa.

Pedro Ferraz da Costa só encontra vantagens numa intervenção do FMI em Angola. E espera que as negociações para o empréstimo do FMI sejam rápidas para reduzir ao mínimo “o tempo de incerteza”.

A Intervenção do FMI “é uma boa notícia porque introduz previsibilidade na política económica e cambial”, diz ao Expresso Ferraz da Costa. O industrial farmacêutico conta com uma operação em Angola com 150 pessoas que fatura perto de 40 milhões de euros.

Captar investimento

O efeito na política cambial é especialmente importante para quem tem investimentos em avaliação para o país. No atual quadro, “era impossível avançar com um projeto de investimento, tal a imprevisibilidade cambial”.

Os efeitos virtuosos da intervenção do FMI far-se-ão ainda sentir na adoção “de decisões politicas difíceis e dolorosas, no reforço da qualidade dos organismos oficiais e num novo impulso para aproveitar o imenso potencial produtivo” de que Angola beneficia.

O empresário não receia que a adoção de medidas dolorosas conduza a agitação social. “É preciso que as medidas sejam devidamente explicadas e enquadradas”, diz.

A verdade é que o governo angolano já adotara em 2016 “um programa orçamental muito duro, cortando subsídios, por exemplo, nos combustíveis e que vão no sentido das que o FMI certamente recomendará”. Segundo Ferraz da Costa, a entrada do FMI “é mais um passso para Angola se adaptar à nova realidade dos atuais preços do petróleo”.