Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Évora Shopping ‘arrematado’ por €20 milhões

  • 333

D.R.

Investimento para aquisição e conclusão do centro comercial foi assegurado por grupo do Dubai

Marisa Antunes

Jornalista

Foi apresentado como um dos grandes projetos comerciais do Alentejo mas questões financeiras levaram a sucessivos adiamentos para a sua abertura, primeiro prevista para 2012 e depois para 2013. Agora, após mais de dois anos de paragem nas obras, o Évora Shopping foi comprado ao Novo Banco pela Ares Capital, empresa com sede no Dubai, escritórios em quase 20 países do mundo e tendo sob gestão mais de €10 mil milhões em ativos comerciais.

O diretor de investimento da Ares Capital, Maximilian Herget, confirmou à agência Lusa que o negócio ficou fechado com o Novo Banco no início de março, por um preço que “fazia sentido”, sem recorrer a financiamento bancário, mas escusou-se a precisar o valor do investimento. Mas o Expresso apurou junto de fontes de mercado que o grupo do Dubai destinou pouco mais de €20 milhões “para a aquisição e conclusão das obras do shopping”.

Edificado junto ao bairro de Almeirim, numa zona adjacente ao Parque Industrial e Tecnológico de Évora, a sul da cidade, o Evora Shopping pertencia à EVRET, uma joint-venture entre o fundo nacional Imorendimento e a Madford Developments. O projeto iniciado em 2011, que previa um investimento de €60 milhões e a criação de 600 postos de trabalho, ficou marcado desde o início por dificuldades financeiras que acabaram por ditar o resgate do empreendimento pelo Novo Banco, que ainda via BES tinha financiado o projeto. Isto apesar da comercialização de espaços ter chegado aos 75% da área com insígnias como a H&M e outras grandes cadeias internacionais a confirmarem a sua intenção de marcar presença neste centro comercial.

Com uma área bruta locável (ABL) de 16.400 m2, distribuídos por dois pisos, o projeto inicial do centro comercial previa 74 lojas, 19 restaurantes e 1200 lugares de estacionamento. E, segundo o novo proprietário, é um projeto a manter. “Estão a decorrer negociações com empresas construtoras para o reinício dos trabalhos, que deverão estar concluídos nas próximas semanas, considerando que este é o principal fator em termos de custos”, disse o diretor de investimento da Ares Capital à Lusa.

Uma garantia dada à autarquia a quem foi referido que o centro comercial poderá ainda abrir portas no final deste ano. O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, confirmou ao Expresso que o investidor estrangeiro pediu e já viu ser concedido pela autarquia o prolongamento da licença para finalizar “rapidamente” a construção.

O autarca lembrou ainda que se encontra a decorrer um concurso público para a venda de terrenos municipais nas Portas de Aviz, junto ao centro histórico, para a construção de um outro centro comercial. “Este processo iniciou-se ainda em 2013 quando o Évora Shopping estava parado e da parte do Novo Banco não existiam garantias algumas para a sua continuidade. Após uma discussão pública em que se apurou que a população preferia ter um centro comercial junto ao centro histórico e existindo interesse por parte de operadores nacionais para aqui investir, foi lançado o concurso público de venda do terreno que ainda está em curso e cujo preço-base é de €4,4 milhões”. O concurso deverá estar fechado dentro de dois meses. A área de influência destes centros comerciais irá atingir um universo de 300 mil pessoas que neste momento deslocam-se largos quilómetros para fazerem compras em Setúbal, Montijo ou Badajoz.