Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

António Varela arrasa gestão do Banif antes de 2012 - era um banco "péssimo"

  • 333

Marcos Borga

Desastroso para os contribuintes, foi assim que António Varela, ex-administrador não executivo do Banif classificou o processo de resolução aplicado ao banco. “O Banif em 2012 era um banco muito, muito mau, era péssimo”, afirma o também ex-administrador do Banco de Portugal no arranque da comissão parlamentar. “Para mim foi um choque pessoal e profissional muito pesado”

"Foi um desastre o que aconteceu no Banif. Para mim foi um choque", afirmou o ex-administrador não executivo do banco na comissão parlamentar de inquério, onde é hoje ouvido. António Varela explicou então que "era difícil que o processo (de viabilização e venda do Banif) não corresse mal, mas era preciso que corresse tão mal".

"É preciso contar o que era o Banif em 2012, e era um banco muito, muito mau. Era péssimo. Tinha uma estratégia errada. Mais do que duplicou a presença no país, tinha feito investimentos disparatados no Brasil, em Espanha e em outras latitudes. Estava concentrado em meia dúzia de grandes clientes e em investimento imobiliário. Não tinham sistema informático. Não tinham sistema de avaliação de risco", atirou António Varela. O ex-administrador do banco fez contudo elogios aos trabalhadores e diz que o banco tinha uma boa carteira de clientes na Madeira e nos Açores. "O Banif tinha recursos humanos muito bons e muito motivados", acrescenta.

Estando o Banif numa situação tão difícil porque foi então o Estado injetar 1,1 mil milhões de euros em 2013, perguntou João Galamba, deputado do PS. "Fez ou não sentido aplicar 1,1 mil milhões de euros num banco que não era viável?", pergunta o ex-administrador do Banco de Portugal. Varela sublinhou que não era uma questão que deva ser ele a responder. Mas antes já tinha dito que o Jorge Tomé era um optimista nato e acreditava na viabilidade do banco, assim como acreditava o governador do Banco de Portugal.

O Banif foi intervencionado, com uma medida de resolução, a 20 dezembro de 2015. Os ativos saudáveis foram comprados pelo Santander, por 150 milhões de euros. António Varela diz, mais tarde no decurso da comissão de inquério, que o Santander fez um "excelente negócio". Os custos para os contribuintes podem ser superior a três mil milhões de euros.

António Varela esteve no Banif como administrador não executivo, enquanto representante do Estado nomeado pela ministra das Finanças, entre janeiro de 2013 e setembro de 2014. Sai do banco fundado por Horácio Roque e toma posse no Banco de Portugal ainda nesse mês onde substituiu Pedro Duarte Neves, então vice-governador, responsavel pela supervisão prudencial. Em março de 2016, António Varela demite-se do Banco de Portugal.

António Varela frisou na sua intervenção inicial que, por vontade sua, não tinha direito de veto, nem de voto na conselho de administração, onde estava como administrador não executivo, mas poderia dar a sua opinião e intervir e sugerir soluções. Aceitou o convite para o cargo feito pela Ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, para "conhecer o banco e defender os interesses do Estado" e "ajudar os gestores a gerir melhor", contou. "Só fico nos sítios quando sinto que posso dar um contributo, se não saio. Foi isso que aconteceu agora no Banco de Portugal", disse o ex-administrador do Banif. "O Estado foi um bom acionista do Banif (...) Foi exigente", defendeu ainda.