Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ações do BCP caem 6%

  • 333

Bolsa de Lisboa começou o dia em baixa com o BCP a liderar as quedas, após a proposta de fusão das ações do banco

O principal índice da bolsa portuguesa, o PSI20, mantém-se em baixa, em contraciclo com as praças europeias, com as ações do BCP a afundarem mais de 6%, após a proposta de fusão das ações do banco.

Cerca das 8h40 em Lisboa, o PSI20 estava a descer 0,87% para 5.054,03 pontos, com seis cotadas a desvalorizarem-se, 11 a subirem e uma inalterada.

As maiores quedas pertenciam à banca, com o BCP a afundar 6,07% para 0,04 euros, o BPI a descer 5,73% para 1,22 euros e o Montepio a baixar 2,62% para 0,59 euros.

Os acionistas do BCP vão deliberar na assembleia-geral, de 21 de abril, sobre a supressão do direito de preferência em aumentos de capital que ocorram nos próximos três anos, até 20% do capital atual.

Este é um dos pontos da ordem de trabalhos da reunião magna de acionistas, divulgada esta segunda-feira através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

A proposta é justificada pela administração com a "elevada volatilidade e instabilidade dos mercados financeiros", atual e previsível para "os tempos mais próximos".

Do lado dos ganhos, o destaque é da Sonae Capital e da Sonae, que avançavam 2,81% e 1,07% para 0,62 e 1,04 euros, respetivamente.

Lisboa seguia em contraciclo com as principais bolsas europeias, que estavam a negociar positivas, depois de quatro dias encerradas e à espera de pistas da presidente da reserva federal norte-americana (Fed) em relação à próxima reunião de política monetária.

Cerca das 08:20 em Lisboa, o Eurostoxx 50, o índice que representa as principais empresas da zona euro, seguia a avançar 0,93%, para os 3.014,53 pontos.

As principais praças europeias seguiam a negociar em alta, entre os ganhos de 0,84% de Frankfurt e os de 1,15% de Madrid.
A presidente da Fed, Janet Yellen, discursa hoje e poderá dar pistas sobre se irá subir as taxas de juro em abril, embora a autoridade já tenha deixado claro que este ano só as subirá duas vezes.

Os investidores aguardam também pela divulgação de alguns indicadores norte-americanos, como o índice de preço de residências S&P/Case Shiller, de janeiro, a confiança do consumidor de março e o boletim semanal das reservas de petróleo.

O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em maio, abriu hoje em baixa no mercado de futuros de Londres, a valer 39,92 dólares, menos 1,28% do que no fecho da sessão anterior.