Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Este país não é para doutores

  • 333

David Clifford

Nem desconto de 50% convence empresas a contratar doutorados

Menos de 1000 O Inquérito aos Doutorados, que o país realiza de três em três anos, mostra que nem mil doutorados trabalhavam nas empresas em 2012. O ensino superior emprega quatro em cada cinco doutorados e só 4% trabalham em empresas. O resto está no Estado (7%), em outras entidades (5%), está inativo (4%) ou desempregado (2%).

Menos de 1000 O Inquérito aos Doutorados, que o país realiza de três em três anos, mostra que nem mil doutorados trabalhavam nas empresas em 2012. O ensino superior emprega quatro em cada cinco doutorados e só 4% trabalham em empresas. O resto está no Estado (7%), em outras entidades (5%), está inativo (4%) ou desempregado (2%).

Apenas 20 empresários se candidataram ao primeiro concurso dos fundos europeus do Portugal 2020, que financia em 50% a contratação de doutorados e pós-doutorados pelas micro, pequenas, médias (PME) e grandes empresas, pagando metade do salário e dos encargos com Segurança Social destes novos trabalhadores a fundo perdido.

“A esmagadora maioria veio de PME que, com algum pioneirismo, decidiram candidatar-se a este apoio e a esta aposta da região. Esperamos que estes promotores sejam o primeiro rosto desta iniciativa, inspirando outras empresas a apresentarem as suas candidaturas”, explicou ao Expresso o gestor do programa Norte 2020, Emídio Gomes.

Recorde-se que o concurso lançado no inverno de 2015 tinha €20 milhões só para financiar a contratação de 150 doutorados pelas empresas da região Norte. O Norte tem o tecido empresarial mais atento aos fundos europeus — cerca de metade das candidaturas aos incentivos do Portugal 2020 vem de empresas nortenhas — e o Norte 2020 é o programa regional que mais aposta na integração de recursos humanos altamente qualificados — a meta são 400 até 2020.

Os concursos entretanto lançados nas regiões Centro, Alentejo e Algarve oferecem metade do dinheiro e não ousam apostar nos doutorados, abrindo os apoios europeus à contratação de mestres e licenciados.

Nova oportunidade

O facto de as empresas serem pequenas, de natureza familiar ou geridas por patrões menos qualificados podem ser entraves à procura destes incentivos europeus. E mesmo nas start-ups mais inovadoras, há quem prefira trabalhar com universidades e centros tecnológicos em vez de contratar um doutorado a tempo inteiro.

Depois deste passo experimental, o Norte 2020 pretende realizar um trabalho de sensibilização para estes incentivos europeus à contratação de doutores, mais direcionado para os sectores tradicionais, que necessitam de aumentar a sua competitividade, e para os sectores mais intensivos em conhecimento, que necessitam incessantemente de maior inovação.

Quem aguarda pelo novo concurso para aproveitar o desconto de 50% na contratação de doutores é a indústria têxtil e agroalimentar de Vila Nova de Famalicão. Augusto Lima, coordenador da iniciativa ‘Famalicão Made In’ explicou ao Expresso que as empresas do concelho querem doutorados — sobretudo nas áreas da engenharia física, química de materiais ou biotecnologia —, mas o prazo do primeiro concurso do Norte 2020 foi demasiado apertado para poderem concorrer. “Doutores a tempo inteiro permitem às empresas desenvolver projetos de I&D mais estruturados, em vez de pedidos pontuais às universidades e centros tecnológicos”, explica.

Quem também apela às empresas para tirarem partido deste capital humano com conhecimento especializado, experiência de investigação e capacidade técnica para implementar novos processos, produtos, tecnologias ou modelos de negócio, é o reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo.

“A integração de doutorados pode contribuir de forma decisiva para o salto de competitividade que tem faltado ao tecido empresarial nacional, facilitando o desenvolvimento das competências internas das empresas, nomeadamente em áreas essenciais à competitividade como as de inovação, I&D, gestão, marketing, criatividade”, sustenta o reitor.

Por outro lado, “com doutorados, as empresas ganham interlocutores qualificados para parcerias com as universidades e centro de investigação ao nível da inovação e I&D. Algo que nem sempre acontece hoje em dia, o que cria obstáculos à cooperação entre o meio académico e científico e o meio empresarial”, remata.