Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BPI desvaloriza no regresso à negociação

  • 333

Após um dia sem negociação, as ações do BPI abriram a sessão desta quarta-feira a perder 1%

O BPI abriu esta quarta-feira a perder 1%, para 1,312 depois Comissão de Mercados de Valores Mobiliários (CMVM) ter levantando a suspensão da negociação das ações. É a cotada que mais perde. Há ano, na oferta pública que lançou, o Caixabank ofereceu 1,329 euros por ação.

Ontem, ao fim da tarde, a Santoro, de Isabel dos Santos, comunicou ao mercado que as negociações com o CaixaBank prosseguem. mas não há ainda acordo final.

As acções do BPI estiveram suspensas durante toda a sessão de terça-feira, por decisão da CMVM, à espera de novidades sobre o estado as negociações entre a Santoro e o CaixaBank.
“Têm sido mantidas negociações com representantes do CaixaBank mas, nesta data, não existe qualquer acordo”. Foi desta forma que que a holding de Isabel dos Santos esclareceu o mercado, no comunicado assinado pelo seu representante Mário Silva.

Acionistas ansiosos por novidades

A resposta prolonga o suspense e reitera o que o CaixaBank afirmara a semana passada.

Enquanto os dois principais acionistas negoceiam os detalhes da solução, o impasse permanece e administração do banco e os restantes 20 mil acionistas aguardam.

“Estou ansioso por notícias, mas não sei nada”, desabafava ontem ao Expresso, Edgar Ferreira, o maior acionista português do banco e membro do Conselho de Administração.

Rating sofre com impasse

O impasse levou a agência de notação financeira Moody's a colocar os ratings do BPI em revisão com implicações negativas, dada a ausência de avanços visíveis na resolução do problema da sua exposição a Angola.

O Banco Central Europeu (BCE) deu um prazo ao BPI, até 10 de Abril, para reduzir a exposição a grandes riscos, nomeadamente ao Banco Fomento de Angola (BFA), detido em 50,1% pelo banco porrtuguês.

Esta quarta- feira a bolsa de Lisboa abriu a ganhar 0,10 por cento, em linha com as congéneres europeias. Mota-Engil, Jerónimo Martins e Sonae são as cotadas que mais valorizam. O BCP perde 0,65%.