Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ainda sem acordo, BPI volta a negociar em Bolsa

  • 333

A Santoro, de Isabel dos Santos, comunicou ao mercado que ainda não há acordo com o CaixaBank no BPI. As ações do banco voltam a negociar em Bolsa depois de terem estado suspensas durante toda a sessão de terça-feira. E estão em queda

Os principais acionistas do BPI, CaixaBank e a Santoro, de Isabel dos Santos, ainda não chegaram a um acordo para reduzir a exposição do banco a Angola, uma imposição regulatória.

O comunicado foi feito pela sociedade angolana e levou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a determinar esta manhã o levantamento da suspensão da negociação das ações do BPI em Bolsa, que às 8h20 seguiam a perder 0,15% para 1,323 euros.

"Informamos que, efetivamente têm sido mantidas negociações com representantes do CaixaBank, mas que, nesta data, não existe qualquer acordo", refere o comunicado da Santoro.

Esta terça-feira, a Reuters noticiou que um acordo entre os dois acionistas do BPI estavam na reta final para concluir um acordo mas faltava ultimar pormenores financeiros.

As ações do BPI fecharam, na última sessão em que negociaram, a valer 1,325 euros, próximo dos 1,329 euros, o preço oferecido no ano passado pelo espanhol CaixaBank para passar a controlar o BPI.

Na mesa, estará a saída de Isabel dos Santos do BPI, e o seu reforço no angolano BFA, controlado pelo banco português.

O CaixaBank, chegando a acordo para comprar a posição de Isabel dos Santos, teria de lançar uma Oferta Pública de Aquisição sobre o BPI.

O espanhol tem 44,1% do capital do BPI e a empresária angolana 18,6%.

Isabel dos Santos poderia então considerar avançar para o BCP, segundo notícias.

O Expresso noticiou no passado sábado que o primeiro-ministro português, António Costa, deu o seu aval a Isabel dos Santos para entrar no capital do maior banco privado português, que tem a Sonangol como principal acionista, com 17,84% do capital.

Os acionistas do BPI têm até 10 de Abril para encontrar uma solução para o BPI, segundo uma determinação do Banco Central Europeu.