Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

S&P mantém rating de Portugal e perspetiva estável

  • 333

A agência de ratings Standard & Poor's manteve o rating de Portugal em 'BB+' com perspetiva estável. Acredita que o governo vai continuar empenhado em melhorar as contas públicas e prevê uma recuperação moderada da economia portuguesa este ano

A Standard & Poor's manteve o rating de Portugal em 'BB+', bem como a perspetiva 'estável', acreditando que o governo vai continuar empenhado em melhorar as contas públicas e que a economia deverá ter uma melhoria moderada em 2016.

"Esperamos que a recuperação económica vai ser moderada em 2016, depois de dois anos de crescimento", diz a S&P numa nota com uma avaliação do país.

Afirma que a perspetiva 'estável' está suportada na previsão de um crescimento moderado da economia portuguesa e uma gradual consolidação orçamental nos próximos dois anos face aos riscos de um ambiente de crescimento económico externo mais fraco, uma redução de endividamento do setor privado prolongada, riscos do setor financeiro e potenciais desvios das políticas económicas e orçamentais.

A S&P estima que Portugal vai registar um défice público de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano que compara com 3,1% em 2015, ou 4,3% incluindo o resgate do Banif.

"A diferença da nossa previsão com a meta de 2,2% do governo deve-se, sobretudo, às nossas estimativas mais baixas para o crescimento económico em termos nominais", explica.

Antecipa que a dívida pública deverá cair para 118% do PIB em 2016-2019, do atual nível próximo dos 130% do PIB, excluindo as garantias relacionadas com o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira.

Mas a S&P alerta que as suas projeções excluem o reembolso do empréstimo ao fundo de garantia de depósitos em 2014 para recapitalizar o Novo Banco, bem como custos adicionais com os swaps detidos por empresas públicas ou apoio financeiro ao setor da banca.

E aponta que apesar de esperar que o governo vai prosseguir com a consolidação orçamental, "a estabilidade do executivo no longo prazo vai ser provavelmente testada em caso de um crescimento económico mais fraco do que o esperado", "potencial implementação de mais medidas para reduzir o défice", e "à medida que assume um papel no reforço da estabilidade no setor da banca".

"Se se materializarem derrapagens nas políticas, podem ameaçar a recuperação económica e a consolidação orçamental, por exemplo, devido a uma deterioração das condições de financiamento externo", avisa.

A S&P é a última agência de ratings a pronunciar-se sobre Portugal antes da avaliação crucial da DBRS, a 29 de abril. Esta agência canadiana é a única que mantém Portugal com um rating acima do nível de lixo, o que permite ao país ter acesso ao programa de compra de dívida do Banco Central Europeu e aos bancos portugueses financiarem-se junto do banco central.

Alguns analistas previam que a S&P poderia hoje baixar a perspetiva do país. Há duas semanas, a Fitch baixou a perspetiva de Portugal para estável.

Rever o rating?

A S&P refere que poderá melhorar o rating de Portugal se houver melhorias nas perspetivas de crescimento da economia, "por exemplo, depois da implementação de de reformas estruturais adicionais", uma redução da dívida pública para abaixo dos 100% do PIB e uma aceleração da diminuição do endividamento do setor privado.

Por outro lado, pode rever em baixa o rating do país se houver o risco de um desvio significativo de políticas económicas ou um desvio consideravel e negativo da posição do governo em termos de orçamento.

(Atualizada às 17H20)