Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BCE vai pagar aos bancos para concederem crédito

  • 333

PRESSÃO. Com a inflação novamente negativa, Mario Draghi está praticamente obrigado a voltar a carregar no acelerador

VINCENT KESSLER/REUTERS

Entre as novas medidas hoje anunciadas por Draghi, estão quatro novas linhas de injeção de liquidez condicionada à concessão de crédito. Bancos que ultrapassem determinados limiares receberão juros para pedir emprestado

O Banco Central Europeu (BCE) pode vir a pagar aos bancos que usem as novas linhas de liquidez a quatro anos – conhecidas como TLTRO - se estes atingirem um determinado montante de crédito à economia. Como explicou Mario Draghi, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho do BCE esta quinta-feira em Frankfurt, “os bancos pagam a taxa diretora no momento da operação e podem ter uma redução se aumentarem o crédito concedido”.

Esta redução, explicou Draghi, pode ir até ao valor da taxa de remuneração dos depósitos que vigorar em cada momento. Atualmente, com as descidas desta quinta-feira, a taxa diretora está em 0% e os depósitos são remunerados à taxa negativa de 0,4%. O que significa que os bancos que cumpram o critério de crédito receberiam, com as taxas atuais, 0,4% pela liquidez que recebessem do BCE.

Na prática, o banco central paga aos bancos pelo dinheiro que lhes empresta desde que estes concedam crédito à economia. Uma taxa de 0,4% representa 400 milhões de euros ao ano por cada 100 mil milhões de euros liquidez cedida. “Estes TLTRO contribuirão para levar a inflação para um valor inferior mas próximo de 2% no médio prazo”, acrescentou Draghi.

Será uma nova ronda de TLTRO – operações de cedências de liquidez condicionadas – que ocorrerá numa base trimestral, a partir de junho de 2016. O montante dependerá do crédito concedido e terá uma duração de quatro anos.

BCE ajudou rentabilidade dos bancos

O vice-presidente do BCE, Vítor Constâncio, explicou ainda que este tipo de medidas tem como objetivo baixar toda a estrutura de taxas de juro na economia – a curva yield – e isso, por si só, ajuda a reforçar a situação dos bancos: “O facto de as taxas negativas baixarem toda a curva yield e isto significa que há ganhos de capital, porque o reverso é que o preço dos ativos sobe.”

Constâncio assegurou ainda que a política do BCE ajudou a melhorar as contas da banca no ano passado já que “o crescimento da economia foi superior ao que teria sido se não tivessem sido tomadas as medidas”e que isso permitiu uma redução das imparidades (perdas) dos bancos.

A aplicação de taxas de valor negativo na liquidez cedida terá também vantagens para os bancos em termos de rentabilidade, já que representa um menor custo de financiamento que está associado a um crédito que permitirá cobrar uma taxa de juro positiva, ainda que possa ser reduzida nas atuais condições de mercado.