Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida em segundo dia de subida, mas prémio de risco continua a diminuir

  • 333

Os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos subiram ligeiramente para 3,04% no mercado secundário da dívida, mas o prémio de risco e o custo dos credit default swaps baixou. Com exceção da Grécia, registaram-se subidas dos juros das obrigações nos membros do euro

Jorge Nascimento Rodrigues

As yields da linha de Obrigações do Tesouro português que vence em julho de 2026 continuaram a subir esta quarta-feira no mercado secundário da dívida. Trata-se, contudo, de uma subida ligeira como a do dia anterior. As yields daquela linha de OT que serve de referência a 10 anos fechou fevereiro ligeiramente abaixo de 3%. Na terça-feira subiram dois pontos base e hoje voltaram a subir mais dois pontos base. Fecharam esta quarta-feira em 3,04%, segundo a Blomberg.

O dia foi marcado por uma subida generalizada das yields das obrigações a 10 anos dos membros do euro, com exceção da Grécia, com as yields das obrigações helénicas desceram 27 pontos base para 10,32%. As yields das obrigações espanholas subiram oito pontos base e as relativas às obrigações italianas aumentaram sete pontos base.

Em virtude da subida das yields das obrigações alemãs a 10 anos, que servem de referência na zona euro, o prémio de risco da dívida portuguesa baixou três pontos base para 283 pontos, o equivalente a 2,83 pontos percentuais acima do custo de financiamento da dívida alemã. Uma descida similar já se havia registado ontem pelas mesmas razões.

Também baixou o custo dos credit defaults swaps (acrónimo cds) a 5 anos que funcionam como contratos de cobertura do risco de incumprimento da dívida portuguesa. O preço dos cds para a dívida portuguesa fechou em 267,98 pontos base, a maior descida do dia em termos relativos entre os periféricos.

O dia ficou marcado por dois leilões de dívida na Europa. O Tesouro alemão colocou dívida a 5 anos pagando uma taxa negativa de -0,36% face a -0,24% na emissão similar anterior. A disposição dos investidores em aceitar “pagar” ainda mais para deter os títulos alemães fica bem patente. No Reino Unido, o Tesouro também colocou dívida a 5 anos pagando uma taxa média de remuneração de 0,861%, abaixo da taxa acima de 1% paga na emissão similar anterior.