Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CMVM suspende negociação das ações do BPI

  • 333

FOTO NUNO BOTELHO

As ações do BPI foram suspensas esta quarta-feira de manhã pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)

As ações do BPI foram suspensas esta quarta-feira de manhã pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Em comunicado, o regulador diz que a suspensão se manterá “até à divulgação de informação relevante” sobre o BPI.

A agência de notícias Bloomberg avançou esta manhã que o grupo La Caixa, maior acionista do BPI, com 44,1% do capital, está a negociar a compra da posição da investidora angolana Isabel dos Santos, que é a segunda maior acionista, com 18,6%.

Além disso, o Governo está a estudar a alteração da lei que limita os direitos de voto nas empresas cotadas. O condição que o La Caixa impõe para poder controlar o BPI. O grupo da Catalunha só pode votar com 20% dos direitos do voto por causa da blindagem de estatutos, e assegura que só continuará a investir em Portugal se desblindar os estatutos.

Entretanto, o BIC, do qual Isabel dos Santos é acionista, esclareceu que ultrapassou o limite de 2% no BPI no dia 11 de abril de 2013. Em comunicado, o banco diz que "passou nessa data a ser titular de 26.569.873 acções do BPI, o correspondente a 1,912% dos direitos de voto". E que Fernando Teles, presidente do conselho de administração do BIC, era nessa data titular de 1.752.722 ações do BPI, representativas de 0,126% dos direitos de voto.

Quando as ações foram suspensas estavam a subir 10,38%, nos 1,18 euros. Aguarda-se agora a qualquer momento que os acionistas do BPI e o próprio banco esclareçam o mercado sobre as conversações que estarão neste momento em curso.

  • Desblindagem do BPI e Angola obrigam a negociações

    As negociações entre Isabel dos Santos e espanhol La Caixa estarão relacionadas com a desblindagem dos estatutos do BPI e a resolução da exposição a Angola. Governo prepara alteração da lei para fazer cair desblindagem