Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Associação da Restauração assegura que preços vão baixar com a descida do IVA

  • 333

"Obviamente que os preços na restauração vão baixar", diz o diretor-geral da AHRESP em entrevista ao "Público", classificando como positiva a descida da taxa de IVA de 23% para 13%, mesmo que alguns produtos fiquem de fora

"Obviamente". A conclusão é categórica. O diretor-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), José Manuel Esteves, não tem dúvidas de que a descida da taxa de IVA de 23% para 13% no sector da restauração será repercutida nos preços praticados ao cliente final.

"As novas empresas têm margem e rentabilidade. Quando a taxa de IVA for reposta, têm imediatamente margem para baixar os preços aos clientes. Por isso, quando nos perguntam se os preços vão baixar, e contrariamente ao que se tem dito na comunicação social, a resposta da AHRESP é: obviamente que vão baixar", declarou José Manuel Esteves em entrevista ao "Público".

Segundo o líder da AHRESP alguns restaurantes baixarão de imediato (as empresas que abriram atividade mais recentemente) e outros "assim que possível" (as empresas de restauração mais antigas, que passaram e passam por dificuldades financeiras).

O diretor-geral da AHRESP admite que no caso das empresas de restauração em dificuldades uma parte da reposição do IVA para 13% "será usada para recapitalizar, evitando baixar imediatamente os preços de venda, mas a primeira urgência é repor postos de trabalho". A segunda prioridade será "requalificar as instalações e equipamentos" nos restaurantes.

Mas globalmente os preços tenderão a baixar com a queda do IVA para os 13%. "Se numa rua um restaurante abre com preços mais baixos, na porta ao lado terão rapidamente de se encostar. É com esta concorrência leal que os preços vão baixar. É o mercado a funcionar, num país que já tem os preços mais baixos da Europa", explicou José Manuel Esteves na entrevista ao "Público".

Sobre a criação de emprego no sector que é apontada como benefício colateral da redução da taxa de IVA, o líder da AHRESP nota que a meta é "rapidamente" repor os postos de trabalho destruídos entre 2008 e 2015, que em termos oficiais são de 60.700 empregos perdidos na área da restauração e hotelaria.