Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal 20+20: Há mais €400 milhões para dar

  • 333

Pedro Guiomar, administrador da Toscagri, garante que a empresa do Alqueva trabalha para que, num futuro próximo, os seus diversos produtos agrícolas cheguem ao país inteiro

Nuno Botelho

Nova ronda de concursos para 2016 já começou. Para apoiar empresários inovadores

Joana Nunes Mateus

Texto

jornalista

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Foto

Fotojornalista

O ano de 2016 traz novas oportunidades para os empresários interessados em investir com o apoio dos fundos europeus. Para já, o sistema de incentivos do Portugal 2020 abriu dois novos concursos que prometem mais de €400 milhões de fundos europeus para projetos de inovação e empreendedorismo.

Para inovar

Até 31 de março estão abertas as novas candidaturas aos fundos europeus para inovação produtiva. Em causa estão €371 milhões de apoios diretos a empresários de norte a sul do país, dos quais €259 milhões estão reservados para micro, pequenas e médias empresas (PME), €86 milhões para grandes empresas e €26 milhões para a formação dos empresários, gestores e trabalhadores das empresas.
Estes incentivos reembolsáveis podem financiar até 75% projetos de investimento entre os €75 mil e os €25 milhões em atividades inovadoras, desde criar um novo estabelecimento, até diversificar ou aumentar a capacidade de produção ou mesmo proceder à alteração fundamental do processo global de produção. Caso o investimento supere as metas que o candidato estabeleceu em termos de valor acrescentado bruto, volume de negócios ou criação de emprego qualificado, o montante a reembolsar pode cair para metade.

Para empreender

Até 31 de março, as PME criadas há menos de dois anos também se podem candidatar a €42 milhões de fundos europeus para empreendedorismo qualificado e criativo nas cinco regiões do continente. Através destes apoios diretos aos empreendedores, pretende-se favorecer a emergência de novas oportunidades de negócio em domínios criativos e inovadores e o nascimento de mais empresas em sectores de alta e média-alta tecnologia.
Estes incentivos reembolsáveis podem financiar até 75% projetos de investimento entre os €50 mil e os €3 milhões ligados à criação de empresas que desenvolvam atividades em sectores com fortes dinâmicas de crescimento e que valorizem a aplicação de resultados de investigação e desenvolvimento (I&D) na produção de novos bens e serviços.

Este concurso também inclui as atividades das indústrias culturais e criativas, que fazem da utilização da criatividade, do conhecimento cultural e da propriedade intelectual, os recursos para produzir bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis com significado social e cultural, como as artes performativas e visuais, o património cultural, o artesanato, o cinema, a rádio, a televisão, a música, a edição, o software educacional e de entretenimento e outro software e serviços de informática, os novos media, a arquitetura, o design, a moda e a publicidade.

Para recrutar

Já no Horizonte 2020, gerido pelo comissário europeu Carlos Moedas, acaba de abrir um concurso que visa colmatar as dificuldades de acesso a conhecimento e competências especializadas por parte das PME através da atribuição de uma bolsa para cobrir o salário e custos associados à contratação de um doutorado.

Até 30 de junho, as startup e PME com ideias visionárias e que procuram um investigador com talento para transformar a sua ideia num produto inovador podem concorrer à iniciativa piloto ‘H2020 SME Innovation Associate for Business‘ e recrutarem doutorados de outros países da União Europeia e demais países associados.

Recorde-se que o Horizonte 2020 tem €16 mil milhões só para 2106/2017, com diversas oportunidades para PME e grandes empresas, incluindo iniciativas transversais como €1000 milhões para a Modernização da Indústria Transformadora Europeia, €670 milhões para a Indústria 2020 na Economia Circular ou €232 milhões para Cidades Inteligentes e Sustentáveis.