Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Administração do “Diário Económico” admite insolvência

  • 333

Direção do jornal já escreveu à administração a pedir solução urgente para o jornal. Salários em atraso são um dos problemas mais graves no seio da redação. “A redação não tem condições para continuar a assegurar produtos com a qualidade a que os leitores e telespetadores do Económico estão habituados”

A administração do Diário Económico admitiu esta terça-feira um cenário de insolvência da empresa num plano de continuidade do jornal, prometendo até quinta-feira dar a conhecer aos trabalhadores as consequências deste cenário e do Processo Especial de Revitalização (PER).

Num comunicado a que a Lusa teve acesso, a Comissão Instaladora da Comissão de Trabalhadores explica que esta terça-feira de manhã se reuniu com o administrador Gonçalo Faria de Carvalho, que disse que "não tendo sido possível obter uma resposta do comprador (...), colocou em cima da mesa um cenário de insolvência considerado num plano de continuidade do jornal".

Neste cenário, a comissão propôs ao administrador que apresente "até quinta-feira de manhã os cenários de PER e insolvência e as implicações de cada um deles" para serem apresentados à consideração dos trabalhadores.

"O resultado desta consulta será depois ponderado pela administração, que terá a palavra final", lê-se no comunicado.

A administração transmitiu ainda que mantém a intenção de pagar os ordenados de dezembro - uma parte dos 140 trabalhadores recebeu a totalidade e outra só parte do salário de dezembro - até 29 de fevereiro, data em que apresentará o plano de pagamentos dos salários de janeiro.

Já a direção do Diário Económico apelou à administração para que encontre uma solução para o projeto “no mais breve período de tempo”, explicando que não pode continuar a trabalhar com os atuais constrangimentos.

“Face à ausência de desenvolvimentos que possam resolver estes problemas e à degradação dos meios de funcionamento, a redação não tem condições para continuar a assegurar produtos com a qualidade a que os leitores e telespetadores do Económico estão habituados”, lê-se no comunicado enviado à administração da empresa da Ongoing que tem o jornal e o canal de televisão Económico TV (ETV), a que a Lusa teve acesso.

No dia em que os trabalhadores se reúnem em plenário, a direção editorial escreveu à administração a pedir que encontre, no mais breve período de tempo, uma solução para o projeto editorial do Económico e para a direção do mesmo, composta por Raul Vaz, Bruno Faria Lopes, Francisco Ferreira da Silva e Tiago Freire, que “mantêm a total disponibilidade para continuar a ajudar o Económico a encontrar uma solução".

Na mesma nota, a direção realça que "o Económico, nas diferentes plataformas - jornal, site e televisão – tem enfrentado nos últimos meses sérios constrangimentos financeiros e operacionais", referindo a existência de salários em atraso e a saída de profissionais, sobretudo de jornalistas para outros órgãos de comunicação.

O banco de investimento Haitong (ex-BESI) está mandatado para vender o jornal, decorrendo um processo de negociações.