Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Audiências TV vão passar a incluir consumo em diferido

  • 333

Séries, filmes e novelas são os conteúdos mais vistos em diferido

As audiências de televisão em Portugal vão passar a incluir a partir da próxima segunda-feira os dados relativos ao consumo de televisão em diferido (Time Shift Viewing). O anúncio foi feito esta sexta-feira de tarde pela Comissão de Análise de Estudos de Mercado (CAEM), a associação que agrega os canais de televisão, operadores de telecomunicações e agências de meios do mercado português.

Os indicadores do consumo de televisão em diferido em Portugal já são medidos pela empresa de estudos de mercado GfK, mas têm sido incluídos de forma indiscriminada na categoria "outros" das audiências, que representa já perto de 11% no total de consumo de televisão. Um crescimento justificado pelo crescente hábito dos telespectadores de verem séries, filmes ou novelas em horários desfasados da emissão em direto.

A fatia de audiências no item "outros" tem crescido nos últimos anos em Portugal, ao ritmo de inovações tecnológicas como a possibilidade de agendar gravações de programas nas boxes digitais dos operadores de pay tv ou a capacidade de recuar até sete dias na programação dos canais. O que tornou mais fácil aos telespectadores verem o que querem, quando querem.

Mas o facto de essas audiências não serem depois atribuídas aos respetivos canais levou alguns operadores a criticar aquilo que entendiam ser uma distorção do mercado. Que terá agora os dias contados.

"Para garantir que as audiências de TV refletem de forma mais precisa os hábitos de consumo televisivo em Portugal, o sistema de audimetria de TV da CAEM/GfK foi ajustado para, a partir do painel de audiências de televisão, produzir e distribuir os resultados do consumo diferido de televisão a partir do dia 15 de fevereiro de 2015", explica o comunicado da CAEM.

Para esse efeito, o sistema de medição de audiência armazenará todo o conteúdo da transmissão de cada canal durante sete dias após a emissão, identificando posteriormente a programação visionada em diferido nos lares do painel e fazendo a coincidência com o conteúdo transmitido nesses sete dias.

Esses dados serão então posteriormente disponibilizados ao público, com a respetiva identificação de consumo diferido.

Tal como o Expresso avançou em dezembro, quando noticiou que a CAEM se preparava para divulgar estes dados de consumo de TV em diferido, as tipologias de conteúdos que os membros do painel da GfK assumiam em 2013 gravar com mais assiduidade eram as séries (57,4%), filmes (49,3%) e novelas (27,1%). A alguma distância surgiam os documentários (16,4%), desporto (12,8%) e desenhos animados (12,8%).

Fontes do mercado indicam que estes valores se mantêm atuais. Aliás, mesmo sem serem conhecidas as audiências em time shift, "existe no mercado a perceção de que este comportamento será mais relevante nos canais pay tv e nos conteúdos ligados a entretenimento, nomeadamente na área de séries e filmes", disse então ao Expresso Alberto Rui Pereira, presidente da IPG MediaBrands.

Mas os canais generalistas de sinal aberto também têm a expectativa de ganhar com esta alteração. "De uma maneira geral, todos os canais vão sair beneficiados, porque veem aumentada a sua audiência média, uma vez que cerca de 50% da audiência que era imputada a 'outros' será desta forma distribuída pela grande parte dos canais. De acordo com os dados de testes, os canais com maior consumo em diferido são os de sinal aberto", explicou ao Expresso fonte da TVI.

Mais importante, sublinhou Alberto Rui Pereira, é que todo o mercado, anunciantes incluídos, sairá a ganhar. "Ficaremos com informação mais relevante sobre consumos de TV, o impacto mensurável deste comportamento em diferentes targets, conteúdos e canais, contribuindo para a credibilização do sistema de medição e do próprio meio."