Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas. Europa “mista”. Ásia a meio gás

  • 333

TORU YAMANAKA/GETTY

A sessão asiática desta segunda-feira fechou com Tóquio a registar ganhos, mas com as bolsas da China, Coreia do Sul, Hong Kong e Taiwan encerradas por causa do ano novo chinês. Principais bolsas na Europa sem trajetória ainda definida

Jorge Nascimento Rodrigues

A bolsa de Tóquio fechou esta segunda-feira em terreno positivo, depois de quatro sessões a registar perdas. O índice Nikkei 225 subiu 1,1% e o TOPIX avançou 0,84%.

As praças financeiras na Ásia estão a meio gás por causa do ano novo chinês que levou ao encerramento das bolsas chinesas, da Coreia do Sul, Hong Kong, Singapura e Taiwan, entre as principais, e também de três das mais importantes nos mercados fronteira (Filipinas, Indonésia e Malásia, economias que ainda não são consideradas emergentes). As bolsas de Xangai e Shenzhen estarão fechadas toda a semana. A bolsa de Hong Kong estará encerrada quatro dias e a de Seul não abrirá três sessões.

Na Europa, a situação é "mista" nas principais praças financeiras, mas em algumas delas a trajetória não está ainda definida, com oscilações acima e abaixo da linha de água. O índice MIB, da Bolsa de Milão, lidera as subidas. O índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, está a negociar ligeiramente em terreno positivo. Os futuros em Wall Street estão a registar ganhos.

O preço do barril de petróleo de Brent fechou a sessão asiática de hoje em alta ligeira, cotando-se em 34,15 dólares, face a 34,06 dólares no fecho de sexta-feira. O preço não caiu em virtude do impacto das declarações do ministro saudita dos petróleos de que a reunião no domingo em Riade com o seu homólogo venezuelano tinha sido bem sucedida. O ministro da Venezuela terminou na Arábia Saudita uma ronda pela Rússia, Irão, Qatar e Omã com o intuito de obter apoio para uma reunião extraordinária da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e de uma "coordenação" com a Russia para um corte na produção diária global que influencie uma subida sustentada do atual nível de preços.