Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Assembleia geral do BPI rejeita cisão de ativos africanos

Rui Duarte Silva

Isabel dos Santos bloqueia projeto de cisão dos ativos africanos do banco liderado por Fernando Ulrich

O voto contra da Santoro, de Isabel dos Santos, foi suficiente para reprovar o projeto de cisão dos ativos africanos que o conselho de administração do BPI apresentou esta sexta-feira aos acionistas, reunidos em Serralves. A proposta precisava de dois terços para ser aprovada. Com o limite de votos a 20% ( a CaixaBank detém 44,4% do capital) Isabel dos Santos (18,6%) detém o poder de bloqueio, tendo em conta o universo de acionistas (83%) representado na AG.

Os outros principais acionistas (CaixaBank, Allianz ou família Violas) votaram favoravelmente ao projeto de cisão.

A proposta conduziria à criação de uma nova holding, que replica a atual estrutura acionista do banco e agregaria as participações do BPI em África: 50,1% do Banco de Fomento Angola (BFA), 30% do Banco Comercial e de Investimentos (MOçambique) e 100% da BPI Moçambique – Sociedade de Investimento.

O novo modelo foi a reposta encontrada pelo BPI à imposição do BCE de para o BPI reduzir a sua exposição a Angola, depois de ter considerado que o país não tem um sistema de supervisão bancário equivalente ao europeu.

Em Angola, o BPI já contara com a oposição do seu parceiro no BFA, a Unitel, dominado por um núcleo acionista liderado por Isabel dos Santos. A transferência de ativos precisa do aval da Unitel. E o Banco Nacional de Angola comunicou que só se pronuncia sobre o pedido do BPI, depois do aval do seu parceiro angolano.

  • BPI. Acionistas de volta hoje a Serralves

    Os acionistas do BPI apreciam esta sexta-feira a cisão dos ativos africanos, que está comprometida com a oposição da Unitel, parceira do banco no BFA. A aprovação precisa de uma maioria de dois terços e o representante de Isabel dos Santos votou contra no conselho de administração

  • O imbróglio do BPI em Angola

    Isabel dos Santos volta a encostar Fernando Ulrich contra a parede e obriga a gestão do BPI a colocar a sua proposta de compra de 10% do Banco de Fomento Angola (BFA) em cima da mesa. Projeto de cisão das operações do BPI em África em causa. Mercado reage positivamente à alternativa da empresária angola