Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Uvas sem grainha do Vale da Rosa chegam ao Brasil em julho

  • 333

Tiago Miranda

A Herdade pretende aumentar a produção para oito milhões de toneladas ao longo dos próximos dois anos. A estratégia da empresa passa ainda pela descoberta de novos mercados e novos parceiros

A Herdade Vale da Rosa, que produz uvas sem grainha, vai começar a exportar para o Brasil em julho e pretende aumentar a produção de seis para oito mil toneladas nos próximos dois anos, segundo um responsável da empresa.

Ricardo Costa, o responsável de comunicação da empresa de Ferreira do Alentejo, disse que os constrangimentos burocráticos que inibiam a exportação de uvas para o Brasil foram desbloqueados há cerca de um mês e que a Vale da Rosa já obteve a autorização necessária para a exportação.

"[O Brasil] é o principal importador de pera rocha e estou convencido que pode vir a ser um grande apreciador das uvas Vale da Rosa", afirmou, destacando que o país sul-americano pode "ser uma oportunidade gigante para os produtos portugueses" e que a Vale da Rosa encontrou "os parceiros certos".

O facto de o proprietário do Vale da Rosa ter vivido 22 anos no Brasil e ter também produzido uvas naquele país contribuiu para gerar "alguns conhecimentos" e Ricardo Costa adiantou que já existem três potenciais clientes: a Walmart, a Hortifruti, uma rede de supermercados brasileiros, e a Salute.

"Queremos começar já na campanha de 2016, que vai ter início em junho, e estamos convencidos que em julho podemos começar a exportar", continuou o mesmo responsável, acrescentando que estão "a trabalhar para obter todas as autorizações e certificações necessárias.

A estratégia da empresa passa ainda por um "aumento significativo" da área de produção, que conta atualmente com 250 hectares, e pela descoberta de novos mercados e novos parceiros.

A Herdade Vale da Rosa produz anualmente seis mil toneladas de uvas sem grainha, das quais 35% destinam-se à exportação, com destaque para o mercado europeu (Inglaterra, Bélgica e Holanda), além de China e Angola.

Em 2105 a empresa faturou cerca de 11 milhões de euros e Ricardo Costa mostrou-se convicto de que o crescimento "será uma realidade" quando as vinhas entrarem em plena produção.

"Estamos convencidos que, dentro de dois anos, produziremos oito mil toneladas", adiantou.