Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Mais 41 mil clientes no mercado livre de eletricidade

  • 333

Mercado livre já tem 4,32 milhões de clientes, cerca de 71% dos consumidores. Em novembro entraram mais 41mil. EDP Comercial é principal operadora

O mercado livre de eletricidade teve um crescimento líquido de 41 mil clientes em novembro, face a outubro, totalizando cerca de 4,32 milhões de clientes, o que representa cerca de 71% do mercado, segundo a ERSE.

De acordo com o resumo mensal sobre o mercado liberalizado de eletricidade da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), o número de clientes no mercado livre cresceu 1% em novembro face a outubro, crescimento inferior à taxa média mensal do último ano que é de 2%.

Em novembro, foram registadas 32.393 mudanças de fornecedor no mercado livre, o que revela o dinamismo dos consumidores à procura da melhor oferta.

O consumo dos clientes abastecidos em regime de mercado representou em novembro 89% do consumo total de clientes em Portugal continental, tendo ascendido a 39.544 gigawatt-hora (GWh), um acréscimo de 99Gwh face a outubro.

Em termos homólogos, o consumo no mercado livre cresceu cerca de 9,1% (consumo no mercado livre de 36.255 GWh em novembro de 2014), o que corresponde a uma taxa média mensal de 0,7% no período.

Em termos de segmentos, praticamente a totalidade dos consumos de grandes consumidores está já no mercado livre, enquanto no segmento dos consumidores domésticos, o consumo em mercado livre está nos 74% do total do segmento, que compara com cerca de 60% em novembro de 2014.

Em novembro de 2015, a EDP Comercial manteve a sua posição como o principal operador no mercado livre em número de clientes (85% do total de clientes) e em consumos (cerca de 44% dos fornecimentos no mercado liberalizado), tendo a sua quota sido reforçado ligeiramente em número de clientes (0,1 p.p.) e manteve-se em termos de consumo.

Os consumidores que ainda estão a ser fornecidos por um comercializador de último recurso dispõem de um período transitório até 31 de dezembro de 2017 para migrarem para o mercado liberalizado