Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ásia fecha no vermelho. Bolsa de Tóquio perde mais de 3%

  • 333

Pelo segundo dia consecutivo, as bolsas asiáticas registaram perdas, lideradas por Tóquio, Hong Kong e Sidney. As duas bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen regressaram a terreno negativo. Índice de pânico financeiro da bolsa nipónica disparou

Jorge Nascimento Rodrigues

A maré vermelha inundou as bolsas da Ásia esta quarta-feira. As bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen regressaram ao vermelho, ainda que registando quedas limitadas, inferiores a 0,5%. A Bolsa de Tóquio caiu mais de 3% e as de Hong Kong e Sidney mais de 2%, liderando uma sessão de perdas por toda a Ásia. As ações de quatro pesos pesados da bolsa nipónica - o conglomerado industrial IHI, a Casio, a Kobe Steel e a Nomura Hondings financeira - perderam mais de 10% na sessão de hoje. Depois de uma queda de 0,76% na terça-feira, o índice MSCI para a região aprofundou as perdas esta quarta-feira. Os futuros em Frankfurt e em Wall Street estão, contudo, em terreno positivo.

As maiores quedas registaram-se em Tóquio, Hong Kong e Sidney. Os índices Nikkei 225 e Topix da bolsa nipónica perderam 3,15%. O índice de volatilidade do Nikkei disparou 19%. O índice ASX 200 australiano caiu 2,33%. O Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, recuou 2,34%. O Kospi de Seul e o Taiex de Taipé perderam 0,84%. O índice CSI 300 (das trezentas principais cotadas nas bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen), que serve de referência para os mercados financeiros da China, caiu 0,43%. Nos mercados fronteira (economias que ainda não são consideradas emergentes), as bolsas das Filipinas, Indonésia, Malásia e Tailândia fecharam em terreno negativo, com o índice filipino PSEI a liderar as quedas, com um recuo de 1,67%.

O preço do barril de Brent, variedade europeia de referência internacional, fechou a sessão asiática a subir ligeiramente para 32,64 dólares. Recorde-se que, na semana passada, o preço do Brent subiu até fechar em 35,90 dólares no final de janeiro, mas em fevereiro iniciou uma trajetória de descidas para o patamar dos 32 dólares.