Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BCP volta a dar lucro cinco anos depois

BCP apresentou lucros em 2015, ainda assim abaixo de algumas previsões

Isabel Vicente

Isabel Vicente

Texto

Jornalista

Lusa

Lusa

Texto

José Caria

José Caria

fotos

Fotojornalista

O banco BCP teve lucros de 235,3 milhões de euros em 2015, o que compara com o prejuízo de 226,6 milhões de euros registado em 2014. Trata-se do primeiro resultado anual positivo em cinco anos (desde 2010).

A informação foi avançada pelo presidente da instituição, Nuno Amado, em conferência de imprensa, tendo destacado que os lucros do ano passado acontecem após quatro exercícios com as contas no vermelho.

O responsável destacou que em 2015 houve um crescimento de 16,6% da margem financeira (um dos principais indicadores bancários) para 1.301,6 milhões de euros e a redução dos custos de 3,7% para 1.106,5 milhões de euros, sendo que a diminuição de custos em Portugal foi maior, de 7%, para 636,2 milhões.

O lucro agora apresentado fica, no entanto, abaixo do estimado por alguns analistas do mercado financeiro.

As imparidades continuam elevadas mas diminuíram face a 2014. Totalizaram 833 milhões de euros em 2015 quando em 2014 tinham ascendido a 1,1 mil milhões de euros.

Verificou-se também uma diminuição da utilização de financiamento líquido do BCE de 6,6 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros. O rácio de capital (core tiver 1) está nos 13,3 por cento.

As operações internacionais do BCP contribuíram com 290,6 milhões de euros em 2015. A operação em Angola registou um lucro de 75,7 milhões - mais 50% do que em 2014. A operação em Moçambique registou um lucro ligeiramente superior, 84,2 milhões de euros. Apenas a Polónia registou uma queda dos lucros de 26% para 130,7 milhões.

BCP lança metas para 2018

O presidente do BCP, Nuno Amado, traçou um plano de desafios até 2018. Quer que o banco passe dos 671 balcões para menos de 570 em 2018, que os clientes com acesso digital cresçam de 26 por cento para 35 por cento e que o número de clientes Prestige atinja mais de 10 mil (está atualmente nos 6 mil). Uma das apostas se reduzir o custo por cliente e melhorar o crédito em risco.

O rácio de capital deveria manter-se nos 13,3% e melhorar substancialmente o cost to income de 55,4% para menos de 50%, entre outros fatores.

Os desafios passam por reforçar o apoio às empresas, melhorar recuperação de crédito, a rendibilidade, o capital e simplificar modelo.

Nuno Amado: “Porquê a pressa?”

O presidente do BCP diz que o tema Banif está a ser analisado e haverá respostas para saber o que aconteceu. Nuno Amado respondia a uma questão colocada sobre os custos do Banif.

E explicou: “Quem quer forçar vender um ativo, perde sempre. Quem vende ativos deve ter tempo para fazer operações”. O tema Banif não “correu bem” e a questão que se coloca é “porquê a pressa e porquê nestas condições? “Porque não teve um custo diferente?”.