Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Gasolina: subida fiscal ameaça levar mais consumo para Espanha

  • 333

Marcos Borga

O aumento do ISP amplia para 63 quilómetros a faixa de território em que poderá compensar ir a Espanha atestar o carro de gasóleo

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Nos últimos anos foram muitos os postos de combustível portugueses perto da fronteira com Espanha que fecharam devido à diferença de preços face ao país vizinho. O problema do desvio de consumo para Espanha não é de hoje. Mas o anunciado aumento do ISP — Imposto sobre Produtos Petrolíferos, em sede de Orçamento do Estado para 2016, poderá alargar, ainda mais, a faixa do território nacional ameaçada por esse fenómeno.

Pelas contas do Expresso, a faixa do país em que pode compensar ir a Espanha atestar o depósito deverá alargar-se de 46 para 63 quilómetros caso se confirme o agravamento do ISP aplicável ao gasóleo em 4 cêntimos por litro e se em Espanha não houver mexidas na fiscalidade dos combustíveis. No caso da gasolina, esse limiar será ampliado dos atuais 58 para 72 quilómetros de distância da fronteira com Espanha.

Mas compensará mesmo ir abastecer combustível a Espanha? A resposta depende de um conjunto de variáveis: o volume de litros que se irá adquirir do lado de lá da fronteira, o consumo que o veículo faz na ida e volta, as portagens que possa haver no percurso e, é claro, o tipo de combustível em causa.

Vamos assumir como exemplo um carro a gasóleo com um consumo de seis litros aos 100 quilómetros, que vai abastecer 50 litros a Espanha e segue um itinerário sem portagens. Consideramos também os preços atuais de €1,036 por litro em Portugal e €0,0934 em Espanha. Neste caso, atestar do lado de lá da fronteira sai €5,10 mais barato. A poupança permite cobrir 91 quilómetros de viagem, o que torna vantajoso o abastecimento em Espanha para quem esteja até 46 quilómetros da fronteira.

Contudo, se o preço em Espanha for o atual, mas o custo do ga- sóleo em Portugal subir para €1,076 por litro (o Governo anunciou um agravamento do ISP de 4 cêntimos por litro), então a poupança ao abastecer 50 litros de gasóleo em Espanha sobe para €7,1. Esta diferença pagaria 126 quilómetros de percurso, isto é, uma viagem de 63 quilómetros para chegar à fronteira e outro tanto para voltar.

Usemos agora o exemplo de um carro a gasolina, que consome oito litros por cada 100 quilómetros e que vai a Espanha abastecer 50 litros. Aos preços atuais, a bomba do lado de lá da fronteira permite poupar €10,25, o suficiente, nesse veículo a gasolina, para fazer 116 quilómetros. O que significa que para quem esteja até 58 quilómetros da fronteira com Espanha pode compensar ir ao lado de lá.

Mas, se ao preço atual da gasolina em Portugal somarmos os €0,05 por litro de agravamento de ISP anunciado pelo Governo, então a vantagem de abastecer em Espanha atinge €12,75, um benefício que compensará a viagem num raio de 72 quilómetros da fronteira com ‘nuestros hermanos’.

Para os automobilistas que optem por ir a Espanha pela auto-estrada, o encargo com portagens diminui a vantagem de ir abastecer ao outro lado da fronteira. Ainda assim, pelos cálculos do Expresso, com a subida do ISP em Portugal, a faixa de território nacional em que compensará abastecer em Espanha será de 24 quilómetros para veículos a gasóleo e de 36 quilómetros para carros a gasolina.

O fosso de preços entre Portugal e Espanha preocupa há muito as gasolineiras nacionais. Há 10 anos a Apetro — Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas e a Deloitte divulgaram um estudo estimando que, em 2006, o desvio do consumo de combustíveis para Espanha diminuiu em €147 milhões a faturação em Portugal, fazendo o Estado perder receitas fiscais de €84 milhões.