Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Troika teme regresso ao passado

Troika. Chefe de missão do Fundo Monetário Internacional já está em Lisboa

Alberto Frias

Instituições internacionais estão em Lisboa para nova avaliação pós-programa. Primeira impressão é de preocupação

A troika chegou a Portugal esta semana para mais uma avaliação pós-programa que termina na próxima quarta-feira e a estratégia orçamental é um dos temas que vão estar em cima da mesa. Segundo apurou o Expresso, os trabalhos estão ainda numa fase inicial e não há ainda grandes conclusões por parte dos homens das instituições internacionais. Mas há, à partida, as dúvidas sobre os números do crescimento do PIB e do défice orçamental que são muitas. E teme-se um regresso ao passado.

Um responsável de umas das instituições internacionais lembrava que, no atual contexto e com a dívida pública que Portugal tem, “é prioritário cumprir a redução estrutural do défice imposta pelas regras europeias”. O que implica uma redução do défice estrutural de, pelo menos, 0,6 pontos percentuais do PIB já que Portugal tem uma situação económica considerada “normal” às luz dos critérios europeus.

A visita da troika tem ainda dois outros assuntos na agenda: reformas estruturais e avaliação da situação do sector bancário. Em termos de reformas estruturais, há uma série de áreas em que a troika sempre quis ir mais longe, como o mercado de trabalho, e também preocupação com algumas reversões recentes.

Alterações como a redução do horário de trabalho no Estado de 40 para 35 horas semanais estão a deixar as instituições internacionais preocupadas. “Não são reformas, são reversões de reformas”, disse o mesmo responsável.

No caso da banca, uma das áreas que continuam a merecer forte preocupação é o crédito malparado. Os dados do Banco de Portugal mostram que, em 2015, o crédito malparado atingiu um novo recorde histórico. Em novembro, o último mês disponível, somava €18,9 mil milhões entre empréstimos a empresas não financeiras e às familias. Representava quase 10% do total.

Um dos problemas é que, nas empresas, uma grande parte dos devedores são PME sem capacidade de saldar as suas dívidas. Há muito que FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu (BCE) insistem na necessidade de criar mecanismos para os bancos lidarem com o problema de forma coordenada.