Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas de Xangai e Tóquio fecham no vermelho

  • 333

Xangai regista quedas pelo terceiro dia. Perde esta quinta-feira quase 3%. Preço do Brent cai mais de 1% mas permanece acima de 33 dólares

Jorge Nascimento Rodrigues

As praças financeiras na região da Ásia Pacífico fecharam “mistas” com as duas bolsas chinesas e a de Tóquio a marcarem esta quinta-feira com quedas. As bolsas chinesas estão a cair pelo terceiro dia consecutivo, depois de uma derrocada na terça-feira. Os futuros em Frankfurt e Wall Street estão em terreno positivo.

China e Japão seguiram hoje na esteira das quedas de Wall Street na quarta-feira, depois da Reserva Federal norte-americana ter sublinhado que estava a “monitorizar de perto” os desenvolvimentos económicos e financeiros globais e ter avançado uma previsão de abrandamento do crescimento da economia dos EUA no quarto trimestre de 2015. A primeira estimativa desse crescimento no último trimestre do ano passado só será conhecida amanhã. O Banco do Japão conclui, também, a sua reunião de dois dias na sexta-feira. Entretanto, resignou o ministro da Economia do governo nipónico, Akira Amari, acusado de alegada corrupção. O primeiro-ministro Shinzo Abe indicou Nobuteru Ishihara, ex-secretário-geral do Partido de Abe, para o lugar.

O preço do barril de petróleo de Brent, a variedade europeia de referência internacional, caiu 1,2% durante a sessão asiática desta quinta-feira, mas permanece acima de 33 dólares, o que distancia o patamar atual do preço do mínimo de 27,10 dólares registado a 20 de janeiro, um mínimo de quase 13 anos. O Brent fechou em 33,49 dólares pelas 7h (hora de Portugal). O preço do Brent esteve em alta durante dois dias consecutivos, acumulando uma subida de 10,7%. Os rumores sobre a possibilidade de negociações entre o cartel da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e a Rússia com vista a um corte de produção do crude têm alimentado o otimismo.

A maior queda do dia na Ásia Pacífico registou-se na bolsa chinesa de Shenzhen, com o índice composto a cair 4,18%. O índice composto de Xangai desceu 2,92% e o índice de referência CSI 300 – das trezentas principais cotadas nas duas bolsas chinesas – perdeu 2,61%.

Em Tóquio, o índice Nikkei 225 recuou 0,71% e o índice TOPIX desceu 0,61%. Os investidores nipónicos aguardam pelas decisões de política monetária do banco central japonês que serão anunciadas amanhã.

As bolsas chinesas e japonesa estão entre as cinco mais importantes do mundo em capitalização e marcam o sentido do índice MSCI para a região.

As restantes bolsas da Ásia fecharam ou estão a negociar em terreno positivo. Depois de ter estado abaixo da linha de água, o índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, está em terreno positivo. O índice australiano ASX 200 encerrou a ganhar 0,6%. O KOSPI, da Bolsa de Seul, subiu 0,48% e o índice geral de Taiwan avançou 0,7%. As principais bolsas dos mercados de fronteira (economias que ainda não são consideradas emergentes), abrangendo Filipinas, Indonésia, Malásia e Tailândia, estão em terreno positivo.

  • Bolsas de Nova Iorque fecham em queda depois da Fed revelar que está a "monitorizar de perto" a situação da economia global. Mais um dia de volatilidade no preço do petróleo que fecha em alta. Londres lidera subidas das bolsas na União Europeia

  • Por unanimidade, os membros do Comité que decide a política monetária do banco central dos EUA decidiram não realizar nova subida da taxa de juros. Na declaração publicada esta quarta-feira, a Reserva Federal (Fed) sublinha que está a "monitorizar de perto" os desenvolvimentos económicos e financeiros globais